O ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Lavrov, discutiu esta segunda-feira com o líder do movimento radical palestiniano Hamas, Ismail Haniyeh, vias para se conseguir a unidade entre as fações palestinianas e os esforços para resolver o conflito israelo-palestiniano.

Durante a reunião analisaram-se em profundidade os modos de restaurar a unidade nacional palestiniana em torno da plataforma política da Organização para a Libertação da Palestina (OLP)”, informou o Ministério dos Negócios Estrangeiros russo num comunicado.

O chefe da diplomacia russa também insistiu na importância das diferentes fações palestinianas se unirem quando se reuniu na quinta-feira com Hussein al-Sheikh, do comité central do nacionalista Fatah (partido do presidente da Autoridade Palestiniana, Mahmud Abbas, e o maior da OLP).

Em finais de 2017, o Hamas, que governa o enclave da Faixa de Gaza, e a Fatah, que controla a Cisjordânia, assinaram um acordo de reconciliação, mas o processo de entendimento nunca se concretizou.

Lavrov e Haniyeh também abordaram “vários aspetos da situação atual da Faixa de Gaza, incluindo no contexto dos esforços para se conseguir uma solução duradoura para o Médio Oriente com uma base legal reconhecida internacionalmente”, adiantou.

A Rússia tem sublinhado que não há alternativa a um diálogo direto entre palestinianos e israelitas e considera que o Quarteto de Madrid (Estados Unidos, Nações Unidas, União Europeia e Rússia) deve continuar a desempenhar um papel nas negociações de paz entre as partes.

A 28 de janeiro, Washington apresentou um plano de paz para o conflito, rejeitado pelos palestinianos por considerarem que dava resposta sobretudo às reivindicações israelitas.

O plano reconhecia Jerusalém como a “capital indivísivel” de Israel e previa a anexação dos colonatos na Cisjordânia ocupada e do vale do Jordão.