Os ‘chefs’ portugueses José Avillez (restaurante ‘Belcanto’) e Henrique Sá Pessoa (‘Alma’) e o austríaco Hans Neuner (‘Ocean’) estão nomeados para o prémio internacional The Best Chef, que será entregue em setembro nos Países Baixos.

José Avillez (‘Belcanto’, em Lisboa), Henrique Sá Pessoa (‘Alma’, Lisboa) e Hans Neuner (‘Ocean’, Porches, Algarve), todos com duas estrelas Michelin, integram a lista de 100 nomeados para a quarta edição do prémio, que foi divulgada hoje pela organização.

A distinção, criada pelo italiano Cristian Gadau e pela empresa TBC MediaCorp, pretende dar destaque ao cozinheiro em detrimento do restaurante e a seleção dos nomeados parte de “parceiros independentes” da plataforma.

Segundo a organização, os países com mais candidatos na lista de 2020 são França, Espanha, Estados Unidos, Brasil, Países Baixos e Reino Unido.

Do Brasil, são candidatos Rodrigo Oliveira (‘Mocotó’, São Paulo), Helena Rizzo (‘Maní’, São Paulo), Ivan Ralston (‘Tuju’, São Paulo), Manu Bufarra (‘Manu’, Curitiba), Jefferson Rueda (‘A Casa do Porco’, São Paulo) e Henry Cáceres (‘Lasai’, Rio de Janeiro).

Este ano, há 26 mulheres nomeadas, uma forte subida face a 2019, em que houve nove cozinheiras – a primeira no ‘ranking’ foi a francesa Dominique Crenn (‘Atelier Crenn’, EUA), no 11.º lugar.

De Espanha, há nove candidatos, destacando-se Ángel León (‘Aponiente’, El Puerto de Santa María, Cádiz, com três estrelas Michelin).

Na edição do ano passado, realizada em Barcelona, o título de Melhor Cozinheiro foi entregue ao sueco Björn Frantzén (‘Frantzén’, Estocolmo), seguido dos espanhóis Joan Roca (‘El Celler de Can Roca’, Girona, três estrelas) e David Muñoz (DiverXO, Madrid, três estrelas).

A escolha começa no dia 01 de abril e tanto os cozinheiros do ‘ranking’ do ano passado e os novos candidatos deste ano deverão votar nos seus colegas, somando-se ainda os votos de “uma seleção de profissionais culinários, fotógrafos e amantes da cozinha”.

Este ano será atribuído uma nova distinção, na categoria Ciência, destinada ao cozinheiro que se destaque na investigação, técnicas experimentais e transformação. Outro prémio que permanece é o The Best Chef fol-LOVERS, votado pelos seguidores nas redes sociais.

Depois de Varsóvia (2017), Milão (2018) e Barcelona (2019), Roterdão vai acolher a cerimónia de entrega de prémios deste ano, com um programa de três dias (de 21 a 23 de setembro), que inclui uma conferência sobre o mundo da alimentação e ciência e debates com ‘chefs’ conceituados, fãs da cozinha e especialistas sobre temas como tradições ou as raízes de diferentes gastronomias.

“Este evento inspirador permite reunir ‘chefs’ conceituados de todo o mundo, e por isso é a oportunidade perfeita para os visitantes internacionais e os profissionais da indústria estarem a par do que está a acontecer no mundo global da alta cozinha, além de contactarem com os seus pares”, comentou o diretor criativo e fundador do The Best Chef, Cristian Gadau.