Jonathan Mok, um estudante de Singapura, a frequentar a University College London há mais de dois anos, alega ter sido alvo de um ataque racista por parte de um grupo de quatro homens e uma mulher, enquanto passeava em plena Oxford Street, no centro de Londres, e que lhe terão gritado “não queremos o teu coronavírus no nosso país”, enquanto o perseguiram.

No Facebook, Mok, de 23 anos, publicou algumas fotos da sua cara esmurrada e inchada após o ataque, que já terá ocorrido junto à estação de metro Tottenham Court Road, pelas 21h15. “De repente, fui surpreendido por um soco que me acertou em cheio na cara. Quando vi o sangue, fiquei imediatamente chocado e atordoado”, escreveu no post. E admitiu também que o surto de coronavírus tem sido usado por alguns como uma desculpa para “aumentar o ódio por pessoas diferentes”. A polícia, entretanto, revelou imagens vídeo dos alegados agressores e pede à população para colaborar com a investigação.
Jonathan Mok admite, ainda, que sofreu várias fraturas na face e terá de precisar de várias cirurgias.