Os ministros dos Assuntos Internos da União Europeia (UE) vão reunir-se esta quarta-feira em Bruxelas num encontro extraordinário sobre a situação nas fronteiras comunitárias, particularmente tensa para a Grécia e Bulgária, após as ameaças da Turquia.

Em causa está uma reunião extraordinária do Conselho de Justiça e Assuntos Internos (virado para esta última questão) para “troca de pontos de vista sobre a situação nas fronteiras externas da UE”, segundo uma informação disponibilizada no site da estrutura.

O encontro, que começa pelas 17h (hora local, menos uma em Lisboa), contará com a presença do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, em representação de Portugal. Além dos Estados-membros da UE, este Conselho contará, excecionalmente, com representantes de países associados a Schengen.

A convocação desta reunião surgiu depois de a Turquia ter anunciado, no final da semana passada, a abertura de fronteiras para deixar passar migrantes e refugiados para a UE, ameaçando assim falhar aos compromissos assumidos com o bloco comunitário.

Síria. Turquia faz bombardeamento generalizado e abre portas da Europa a refugiados

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O objetivo do Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, é garantir mais apoio ocidental na questão síria.

É sobretudo a Grécia que enfrenta uma brutal pressão nas suas fronteiras externas com a Turquia, o que levou o país a pedir, no passado domingo, que a agência europeia da guarda costeira, a Frontex, lançasse uma intervenção rápida nas fronteiras externas da Grécia no Mar Egeu. Essa operação, já em curso, permitirá ajudar as autoridades gregas a lidar com o fluxo de refugiados oriundos da Turquia, através de um reforço do pessoal e dos meios técnicos, como aeronaves, embarcações e helicópteros.

Na terça-feira, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, anunciou uma ajuda financeira de 700 milhões de euros à Grécia para responder à pressão migratória no país, sobretudo de migrantes vindos da Turquia, mobilizando ainda assistência médica através do Mecanismo Europeu de Proteção Civil. Realçando as “circunstâncias extremas e a situação difícil e tensa” no país, após uma visita às fronteiras externas gregas, a responsável avisou a Turquia: “Todos os que tentam testar a unidade europeia vão ficar desapontados, pelo que esta é altura de reafirmarmos os nossos valores europeus”.

A Bulgária também solicitou apoio europeu para lidar com a chegada de migrantes e refugiados à sua fronteira.

A UE e a Turquia celebraram em 2016 um acordo no âmbito do qual Ancara se comprometia a combater a passagem clandestina de migrantes para território europeu em troca de ajuda financeira. Porém, a Turquia, que acolhe no seu território cerca de quatro milhões de refugiados, na maioria sírios, anunciou ter aberto as fronteiras com a Europa, ameaçando deixar passar migrantes e refugiados numa aparente tentativa de pressionar a Europa a assegurar-lhe um apoio ativo no conflito que a opõe à Rússia e à Síria.