O realizador iraniano Mohammad Rasoulof, que venceu há dias o maior prémio do Festival de Cinema de Berlim, recebeu ordens para cumprir um ano de prisão, anunciou esta quarta-feira o seu advogado.

O advogado Nasser Zarafshan disse à agência Associated Press que a sentença de prisão, da qual pretende recorrer, foi dada em relação a três filmes que as autoridades do país classificaram de “propaganda contra o sistema”. O recurso será feito também no contexto do atual surto do novo coronavírus, uma vez que as autoridades iranianas já encaminharam 54 mil presos para saídas temporárias, face aos receios de propagação da doença entre a população prisional.

Rasoulof venceu o Urso de Ouro na Berlinale deste ano com o filme “There is no Evil”, que já tem distribuição garantida em Portugal pela Leopardo Filmes.

Como recordava a distribuidora portuguesa quando anunciou que o filme teria exibição nacional, “Mohammad Rasoulof não pôde estar presente em Berlim, nem para acompanhar a estreia mundial do seu filme, nem para receber este prémio, por lhe ser vedada a saída do Irão por imposição das autoridades daquele país.”

O filme é uma coprodução entre companhias do Irão, Alemanha e República Checa e conta quatro histórias que, segundo a sinopse de Berlim, oferecem “variações sobre os temas cruciais da força moral e da pena de morte, questionando até que ponto a liberdade individual pode ser expressada sob um regime despótico e as suas aparentemente inescapáveis ameaças”.