O saxofonista João Cabrita edita este ano o primeiro álbum a solo, ao fim de 30 anos de carreira a acompanhar bandas e artistas como Cais Sodré Funk Connection, Dead Combo e The Legendary Tigerman.

O tema de avanço do álbum, “Whatever Blues”, que conta com a colaboração do saxofonista dos Xutos & Pontapés, Gui, é divulgado esta sexta-feira, o mesmo dia em que João Cabrita atua a solo no festival Clap Your Hands Say F3st!, em Leiria.

De acordo com o saxofonista, em declarações à Lusa, o álbum, com selo da Omnichord Records e edição prevista para setembro, “gira à volta do saxofone e das colaborações todas” que João Cabrita tem tido ao longo de 30 anos de carreira.

O álbum conta com convidados como Ivo Costa, um baterista “incrível” que João Cabrita admira “há muitos anos”, Sérgio Nascimento, “outro”, Rui Alves, que integra os Cais Sodré Funk Connection, Paulo Furtado (The Legendary Tigerman), Tó Trips, dos Dead Combo, o “rapper” Sam The Kid e as cantoras Selma Uamusse e Susana Félix.

Há muita malta, muito amiga. É uma espécie de festa sintetizada num disco”, referiu, partilhando eu “mais houvesse tempo, mais malta teria lá passado [em estúdio] e teria gravado qualquer coisa, uma perninha”.

Os temas que compõem o álbum são todos originais de João Cabrita e “todos instrumentais, menos um”, porque João Cabrita “tinha demasiados amigos cantores para não aproveitar”.

João Cabrita, de 47 anos, começou a tocar saxofone na Banda Filarmónica dos Olivais, em 1989, tendo no ano seguinte ingressado na escola de jazz do Hot Clube de Portugal e começado a tocar com os Sitiados. Ao longo da carreira, o saxofonista colaborou, tanto em palco como em discos, além dos Cais Sodré Funk Connection, Dead Combo, The Legendary Tigerman e Sitiados, com, entre outros, Despe & Siga, Sérgio Godinho, Orelha Negra, Kussondulola, Caetano Veloso e Virgem Suta.