A Mercadona faturou mais de 32 milhões de euros em 2019, primeiro ano de atividade em Portugal, em que abriu 10 lojas desde julho, indicou  o grupo em comunicado.

A empresa continuou o forte esforço de investimento no desenvolvimento deste projeto, superior a 220 milhões de euros desde o início da expansão. Deste total, 150 milhões de euros foram investidos em 2019, tendo tido como destino a abertura das lojas, a aquisição de novos terrenos e o arranque do Bloco Logístico da Póvoa de Varzim, entre outros”, referiu a cadeia de supermercados espanhola.

De acordo com a agência Efe, o presidente da Mercadona, Juan Roig, deu conta de planos para abrir 150 lojas em Portugal, mas não indicou qual o período em que o pretende fazer.

O grupo “contribuiu para a criação de riqueza em Portugal através dos 11 milhões de euros pagos em impostos, suportados e cobrados pela Irmãdona Supermercados S.A”, a sociedade que a empresa criou para operar em Portugal, adiantou a Mercadona, no comunicado. Na mesma nota, a empresa espanhola deu conta de que irá “continuar a promover o seu plano de transformação até 2023 e, para esse fim, planeia investir 1.800 milhões de euros em 2020”, sendo que este investimento contempla a abertura de novos supermercados em Espanha (69) e em Portugal (10).

Além disso, a Mercadona irá renovar 160 unidades e implementar a nova secção “Pronto a Comer” em mais 460 supermercados ao longo do ano, entre outros projetos, adiantou o grupo.

No ano passado, a empresa “aumentou o seu investimento em 46%”, atingindo 2.200 milhões de euros, um valor que tem por base “recursos próprios”, indicou a Mercadona. Em 2019, o grupo “registou uma melhoria nas vendas consolidadas em superfície constante de 5%”, para 25.500 milhões de euros, de acordo com os dados hoje divulgados, tendo ainda aumentados os resultados líquidos também em 5%, para 623 milhões de euros.

A empresa terminou 2019 com um total de 90 mil colaboradores “com contrato efetivo, depois de criar 4.200 novos postos de trabalho estáveis e de qualidade, dos quais 600 em Portugal”, realçou o grupo.

Durante o ano passado, a Mercadona “abriu 46 supermercados, dos quais 10 em Portugal, e encerrou 46 lojas que, devido às suas características, não podiam ser ajustadas ao seu novo modelo mais eficiente e sustentável, finalizando o ano com um total de 1.636 supermercados”, lê-se na mesma nota.

O grupo deu ainda “continuidade ao processo de renovação da sua rede de supermercados e fechou o ano com 800 supermercados com o Novo Modelo de Loja Eficiente”, segundo o comunicado.

A cadeia de supermercados espanhola adiantou que “planeia continuar a fortalecer e a otimizar a sua rede logística com a renovação e abertura de novos blocos logísticos e irá continuar a dedicar recursos significativos à transformação digital, outro dos desafios da empresa, e à abertura de um novo armazém online (Colmeia) em Getafe (Madrid)”, sendo que “para todos estes projetos, a empresa criará mais de dois mil empregos estáveis e de qualidade em 2020, entre Espanha e Portugal”, segundo a Mercadona.

O grupo salientou também que realizou no ano passado “um investimento de 44 milhões de euros em 2019” para “impulsionar o seu modelo de negócio responsável e reforçou o seu compromisso com a defesa do meio ambiente, através da incorporação de medidas para produzir de forma sustentável e alcançar um impacto ambiental mais positivo”.