O BMW i8 foi durante mais de cinco anos o porta-estandarte da marca alemã no que respeita aos veículos mais amigos do ambiente. Com o seu motor 1.5 sobrealimentado a gasolina, com três cilindros e 231 cv, complementado por uma unidade eléctrica de 143 cv, alimentada por uma bateria com apenas 11,6 kWh, o i8 usufrui de 374 cv e uma autonomia em modo eléctrico de 53 km.

Mas depois de vender cerca de 1500 unidades em 2018, de um modelo que entre nós é proposto por valores a partir de 157 mil euros, o i8 caiu cerca de 33% em 2019, o que poderá ter acelerado a decisão da marca alemã em cessar a produção. Esta afastará tanto a versão Coupé como a Roadster, dos stands de venda do construtor germânico.

Resta saber o que se seguirá ao i8, especialmente porque a BMW defende que, até ter a certeza que os veículos eléctricos são mais do que uma moda e vêm mesmo para ficar, não desenvolverá plataformas específicas para os modelos a bateria, apesar de admitir que esta solução aporta maiores vantagens em termos de eficiência.