Tudo começou com um simples tweet: “Estamos a trabalhar em ventiladores [em formato] open source para alcançar uma solução rápida e fácil que possa ser reproduzida e montada no local, em todo o mundo. Se tem algumas capacidades que pensa que podem ajudar, junte-se a nós no projectopenair.org“.

João Nascimento escreveu aquele apelo no Twitter na tarde do dia 11 de março, quarta-feira. O objetivo era que o maior número de pessoas possível se juntasse para que se desenhasse e produzisse um novo modelo de ventilador médico com método de código aberto — ou seja, sem nenhum detentor de direitos de propriedade sobre ele. Menos de 24 horas depois, 500 dos maiores especialistas nas áreas de engenharia, medicina e não só já estavam a trabalhar. Atualmente, são já mais de 2.500 pessoas a trabalhar em conjunto, através da aplicação Slack, incluindo académicos e investigadores de universidades como MIT, CalTech e Stanford.

O grupo conta também especialistas de Harvard, onde João estuda Neurociência e Filosofia neste momento. Foi precisamente o retweet de um professor seu que ajudou a espalhar a mensagem na comunidade científica e angariar vários investigadores para o Project Open Air. “Não estava de maneira nenhuma à espera”, confessa o português ao Observador. “Quando me deitei eram quase 400 pessoas a trabalhar, quando me levanto são mais 200… Não tenho explicação.”

A ideia de João surgiu ao acompanhar as notícias mais recentes sobre o Covid-19 e, sobretudo, aquilo que define como “o caos que está a acontecer um pouco por todas as zonas hospitalares”, sobretudo na falta de ventiladores. “Comecei a aperceber-me que a maioria das mortes acontecia por falta desse material”, sublinha o estudante, que ficou particularmente impressionado com o caso de Itália. Naquele país, onde mais de mil pessoas já morreram infetadas com este tipo de coronavírus, o relato das equipas médicas tem sido impressionante: “A ventilação não-invasiva é apenas uma fase passageira. Como, infelizmente, há uma desproporção entre os recursos hospitalares, as camas de cuidados intensivos e as pessoas criticamente doentes, nem todos são entubados”, relatou ao Corriere della Sera um médico anestesiologista em Bérgamo.

Em Itália, os hospitais estão à beira do colapso — e os médicos têm de escolher quem podem tratar

A falta de ventiladores para dar resposta a todos os infetados que necessitem de auxílio respiratório é uma realidade em Itália e pode vir a ser noutros países afetados pela epidemia. Esta quarta-feira, o pneumologista Filipe Froes estimou em entrevista à RTP3 que existam cerca de 500 a 600 ventiladores disponíveis em Portugal, a maioria deles em uso neste momento com outros doentes. “Se tivermos uma calamidade muito grande, é evidente que vamos ter falta de ventiladores”, assumiu. Também nos Estados Unidos, um relatório da Universidade Johns Hopkins citado pelo The New York Times prevê que os 160 mil ventiladores existentes nos EUA não sejam suficientes no caso de uma pandemia. Não só muitos deles já estão a ser utilizados, como a estimativa do John Hopkins é que — com base no modelo da pneumonia espanhola onde seriam necessários 65 mil — atualmente em caso de pandemia cerca de 740 mil pessoas poderiam vir a necessitar de assistência respiratória só nos Estados Unidos.

Foi ao saber de dados como estes que João Nascimento decidiu por mãos à obra. “Comecei a questionar-me se não haveria uma produção alternativa, uma solução que pudesse ser escalável para fazer uma impressão 3D, por exemplo”, explica. Entrou no Twitter, juntou-se à conversa que dois britânicos já estavam a ter sobre esse mesmo tema e daí surgiu a ideia: vamos criar o Project Open Air para “encontrar formas de ter material médico de forma mais acessível e rápida”. Depois, conta, o projeto “ganhou vida própria”.

Médicos, engenheiros e um ambiente de “hospital de campanha” online

Se a meio da tarde desta quarta-feira (dia 11) estavam apenas nove pessoas reunidas na plataforma Slack a discutir este tema, no sábado dia 14 eram já cerca de 2.500 os especialistas reunidos, incluindo até responsáveis de empresas de impressoras 3D, que se disponibilizaram para oferecer os seus serviços. A adesão tem sido tanta que o próprio projeto já teve de pedir à Slack um aumento de capacidade por duas vezes — e pode chegar ao terceiro pedido em breve.

João Nascimento, criador do Project Open Air, estuda Neurociência e Filosofia em Harvard

João Nascimento, criador do Project Open Air, estuda Neurociência e Filosofia em Harvard

“Temos atualmente uma equipa executiva de 12 Administradores, 40 Managers, centenas de Channel Leaders a gerir cerca de 2.500 engenheiros, designers, software developers, tradutores, médicos e enfermeiros, advogados, investigadores nos mais diversos projetos nas áreas de intervenção na luta contra o COVID-19″, resume ao Observador João Nascimento.

As aplicações práticas são, por enquanto, poucas. Mas, em menos de 24 horas, João Nascimento já tinha algumas para apontar:

Um médico espanhol, por exemplo, fez adaptações num ventilador para dar para mais pacientes, algo que tinha sido debatido no grupo de engenharia de hardware médica”, afirma. Outro resultado está no contacto que já tiveram com um jornal de pesquisa médica dinamarquês, com interesse em possivelmente “extrapolar uma das matérias que estava a ser discutida num dos canais” no âmbito da investigação científica.

Três dias depois da criação do projeto, Nascimento reforça que estão a ser exploradas “diversas abordagens nas áreas da prevenção, contenção, assistência remota, aplicações móveis, propagação de pandemias, controlo de temperatura, soluções em cuidados ambulatórios”, entre muitas outras, mas os suportes de assistência respiratória — ou seja, os ventiladores — continuam a ser a primeira prioridade.

No entanto, o criador do projeto deixa um apelo: “Não queremos defraudar as expectativas de ninguém, pedimos que compreendam que estamos a dar o nosso melhor para juntos combatermos esta e futuras pandemias, no entanto não é de todo possível avançar com previsões sobre resultados ou aplicações imediatas”.

Apesar disso, esta aprendizagem “on the job“, ou seja, feita ao momento, está a revelar-se altamente produtiva: Os projetos a serem discutidos são tantos que João Nascimento não consegue elencá-los a todos.

Nas primeiras 24 horas depois da criação do Project Open Air, João Nascimento destacava as ideias que podem surgir do cruzamento de esforços de especialistas de múltiplas áreas: “Existe ali um clima de mistura de académicos, com engenheiros e um ambiente de tempo de guerra”, dizia, destacando que têm sido partilhadas muitas dicas aplicadas em hospitais de campanha. E essa mistura, garante, começa já a trazer resultados: “Este projeto é a maior prova que a humanidade quando se junta não tem barreiras”.

Após as primeiras 72 horas, Nascimento diz “não ter palavras” para agradecer “a onda de entreajuda, solidariedade, respeito e apoio mútuo entre todos os envolvidos”. E deixa uma palavra aos portugueses, destacando que o projeto conta agora com milhares de especialistas e administradores nacionais envolvidos no projeto e recebe constantemente “mensagens de incentivo e alento”: “Não poderia deixar de sublinhar o tremendo orgulho na forma como este projeto foi abraçado pelos meus compatriotas.”

(Artigo atualizado às 14h de quinta-feira para clarificar o número de ventiladores que podem vir a ser necessários nos Estados Unidos; e atualizado às 12h25 de sábado com novas declarações e números avançados por João Nascimento)