Obrigado por ser nosso assinante. Pode ler este e todos os artigos do Observador em qualquer dispositivo.

O professor Benoit Muylkens, da Universidade de Namur, na Bélgica, tem uma forma muito simples de explicar porque é que se preocupou com o número de testes realizados ao coronavírus. “Na Coreia do Sul e em Itália, o início da epidemia foi parecido. Mas na Coreia, passados dez dias, começa a existir uma resolução da epidemia, enquanto que em Itália aparece um surto. Na Coreia do Sul, o número de testes realizados é muito alto, muito mais alto do que em Itália”, explicou o cientista à Rádio e Televisão belga.

A Universidade de Namur desenvolveu um novo método para diagnosticar a infeção por Covid-19: a inovação, criada em parceria com a Universidade Católica de Leuven, também na Bélgica, é uma solução para a escassez de reagentes químicos disponíveis e está no bom caminho para ser aprovada pela Agência Federal de Medicinas e Produtos de Saúde do país. “Este processo é muito simples, não é nada revolucionário”, indica o professor Muylkens, acrescentando que “se baseia no trabalho humano e não em máquinas complexas”.

Dietmar Hopp, líder da CureVac que já investiu 1,5 mil milhões na biotecnologia, garante que vacina não será para um só país

“Os nossos investigadores têm estado a trabalhar todo o dia desde há duas semanas para identificar um novo método de diagnóstico”, adiantou François Nélis, diretor do departamento de comunicação da universidade. “A técnica desenvolvida baseia-se em testes químicos e requer maior mão de obra. Se conseguirmos a aprovação, devemos conseguir realizar perto de 500 testes por dia só aqui em Namur, em apoio aos laboratórios de referência. Claro que o método também se pode expandir para todo o mundo”, acrescenta Nélis.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Basicamente, o novo método de diagnóstico evita a necessidade de reagentes químicos mas requer maior envolvimento de mão de obra humana: contudo, permite uma maior multiplicação de exames efetuados, o que pode também acelerar o processo de diagnóstico e evitar o contágio promovido por doentes que estão infetados mas que ainda não sabem.

Na Bélgica, onde foi desenvolvido este novo processo de examinação, foram esta quarta-feira tomadas novas medidas para limitar a propagação do surto. Foi pedido à população que fique em casa e que limite o contacto à família mais próxima: a partir do meio-dia local, todas as lojas não essenciais e mercados ao ar livre encerraram e o teletrabalho tornou-se praticamente universal. As entidades patronais que requerem trabalho presencial mas não garantem distância social enfrentam multas e até ordem de encerramento. Até agora, a Bélgica registou 1.085 casos de Covid-19 e dez vítimas mortais.