Uma explosão de cor

Viajar sem sair do conforto do sofá é, desde há muito, a proposta da Assouline, que tanto aponta a agulha ao espírito boémio de Tulum como prescreve o melhor da vida à beira do Mediterrâneo. Os tempos podem não estar para viagens mas o sonho tem imunidade absoluta às maleitas do mundo — e a sua lista de desejos não deixará de fora esta travel series com carimbo de luxo. Do México a Aspen, com uma passagem por Mikonos, a sua mesa de centro vai agradecer este apêndice.

© Assouline

A história da Europa através do cinema

The Filmin Times é um novíssimo arquivo em castelhano sobre a história do velho continente europeu, pelo prisma da sétima arte. Os separadores online guiam-nos por mapas, personagens míticas e uma linha do tempo que devolve os principais acontecimentos na história da Europa, muitos deles comuns a muitos de nós e a boa parte do nosso imaginário coletivo. Cada um deles é contado recorrendo a filmes de cada país que abordam o tema. O resultado é uma espécie de jornal com atualidades cinematográficas.

© The Filmin Times

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Geografias clássicas

Sites especializados em mostrar-nos o melhor do mundo, como o National Geographic, não irão parar a sua atividade e continuam a aproximar os seguidores de uma série de #journeystocome, o cardápio de viagens que mentalmente nunca deixamos de planear. Aqui encontra um precioso efeito placebo, com uma ronda em permanência pelos lugares e gentes que as câmaras de fotógrafos de todo o mundo nos oferecem. Tome nota: se algum dia passar por Tucson, Arizona, nos EUA, não se esqueça de procurar por Thomas “Tiger” Ziegler que há 60 anos trabalha no Hotel Congress.

© MichaelGeorge/NatGeo

Países que existem mas não existem

Confuso? O nome completo é tão alargado como o nosso globo: “An Atlas of Countries that Don’t Exist: A Compendium of Fifty Unrecognized and Largely Unnoticed States (Obscure Atlas of the World, Historic Maps, Maps Throughout History)”. Simplificando, eis um atlas de países que não existem, que é como quem diz “50 estados que não gozam de reconhecimento internacional nem fazem parte das Nações Unidas, existindo à margem da legitimidade na ordem global”. A obra de Nick Middleton, aclamado escritor de viagens e geógrafo de Oxford, foi editada em 2017 mas é uma pérola intemporal para exploradores de sofá.

© DR

Para viajantes excêntricos

Há muito que o projeto Atlas Obscura deixou de viver na obscuridade mas nunca é demais lembrar que esta é uma nação online muito convidativa para apreciadores do mais excêntrico, original e bizarro. De intervenções artísticas na paisagem urbana a incríveis efeitos da natureza, há miscelânea para dar e vender por aqui. Viaje aos recantos mais inesperados do mundo, às pequenas histórias mais deliciosas e aos segredos mais bem guardados de sempre. Entretanto, não se deixe abater pelo isolamento e pela solidão. Espreita só na imagem aquele que é provavelmente o ponto “mais solitário do mundo”. Um pequeno farol na costa das ilhas Westman, na Islândia.

Luxo de estimação

Já é um imprescindível da Louis Vuitton, que no próximo mês de maio acrescentará três novos títulos às sua coleção de livros de viagem, ilustrados por artistas de todo o mundo. Os seus desenhos contam as histórias de cidades e países que visitaram pela primeira vez, retratando a arquitetura variada, a luz de cada lugar, e as vidas dos povos. Fica o convite para uma deslocação real ou, para já, virtual. Próximas escalas? Barcelona, pelo pintor francês Marc Desgrandchamps, São Petersburgo, pela artista e ilustradora de moda americana Kelly Beeman, e Marrocos, pelo artista contemporâneo canadiano Marcel Dzama. Em maio, chegará ainda um novo City Guide Louis Vuitton, dedicado à região francesa de Reims.

Ilustração para São Petersburgo © Louis Vuitton

Imaginação de A a Z

É um precioso auxílio este “Dicionário de Lugares Imaginários”, de Alberto Manguel, que conta ainda com os mapas ilustrados de Gianni Guadalupi. A obra, uma edição Tinta-da-China de 2013 (que por estes dias convida a redescobrir a sua coleção de Literatura de Viagem), tem tradução de Ana Falcão Bastos e Carlos Vaz Marques e rastreiam uma série de destinos saídos das páginas da ficção. São lugares inventados da literatura que nos levam tanto até aos enredos fantásticos de Tolkien como ao realismo mágico de Gabriel García Márquez.

Imagem ilustrativa de uma edição em inglês. Da Terra do Nunca ao País das Maravilhas, há vários destinos a descobrir © DR

Ver o mundo por outras perspetivas

Que países têm embaixadas da Coreia do Norte? Onde existe a maior concentração per capita de bandas de heavy metal? Em que pontos do planeta conseguiremos encontrar leões no seu ambiente selvagem? Eis apenas alguns dos dados aparentemente inúteis que compõem esta obra perfeita para curiosos, que nos permitem olhar para a arrumação do globo com umas lentes alternativas. “Brilliant Maps”, um trabalho de Ian Wright (o mesmo ao leme do site homónimo), tem chancela da Granta, saiu em 2019, e promete entusiasmar os fãs de design gráfico.

Os tubarões mortos pelos humanos versus o número de humanos mortos por tubarões © DR

Ao encontro de Wes Anderson

Obcecado com simetrias, geometrias e questões cromáticas? Gostava de viver em permanência dentro de um filme do realizador Wes Anderson? O mundo está cheio de recantos que davam ótimos décors para uma fita do norte-americano e muitos desses encontros improváveis com destinos, pessoas e objetos encontram-se reunido na conta de Instagram Accidentally Wes Anderson, uma verdadeira guloseima para fãs. E ao mesmo tempo uma lição de história e geografia sem mexer os seus pezinhos.

The Ahwahnee Hotel | Yosemite Valley, California | c. 1927

No encalço dos primeiros descobridores

O Atlas das viagens e dos exploradores, com o selo da Planeta Tangerina, já um clássico para recuperar por todas as idades. Aconselhado pelo Plano Nacional de Leitura e Vencedor do Prémio “Non Fiction”, atribuído pela Feira Internacional do Livro Infantil de Bolonha 2019, a obra de Isabel Minhós Martins e Bernardo P. Carvalho segue os passos em palavras e ilustrações de monges, naturalistas, comerciantes, marinheiros e outros viajantes . Todos eles nos chegam de tempos e lugares remotos, e todos eles “deram contributos importantes para conhecermos melhor o planeta e sabermos da existência uns dos outros.”

© Planeta Tangerina

Papar sabores sem engordar

Comer com os olhos é uma outra forma de pôr esta questão. The Taste Atlas faz o reconhecimento do mundo tendo por base as especialidades gastronómicas de cada coordenada — e já se habitou ao ar dos tempos. Basta entrar na conta de Instagram para se perder entre dezenas de sugestões de pratos de massa (uma solidária alusão a Itália) ou entre formas de importar o Saint Patrick’s Day para dentro de casa. Tudo ao detalhe, como a imagem em baixo lhe poderá sugerir. É que por estas bandas, um panado está muito longe de ser um mero panado.

© The Taste Atlas