O Banco Alimentar anunciou esta sexta-feira a criação de uma Rede de Emergência Alimentar, com o apoio da associação Entrajuda e em articulação com o projeto Bolsa do Voluntariado. “A ajuda não pode parar junto das pessoas mais vulneráveis” no contexto da propagação do novo coronavírus, lê-se no comunicado emitido pelas associações.

A associações pretendem ajudar as pessoas mais carenciadas que possam vir a ser prejudicadas com o encerramento das respostas sociais de apoio normalmente disponibilizadas por várias Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) (creches, centros de dia, ATL) ou com o encerramento de escolas. O Banco Alimentar, que atua com o mote “A ajuda não pode parar”, garante ainda total segurança e higiene na entrega.

A inscrição deve ser feita pelos visados desta ação (as pessoas mais carenciadas), por familiares ou amigos através de um formulário disponível no site oficial do Banco Alimentar. Os alimentos serão encaminhados para um ponto de entrega perto da sua residência, para as IPSS ou para as autarquias de qualquer concelho do país que queiram fazer parte da iniciativa, e serão depois entregues por “voluntários devidamente protegidos” em horário definido nas residências de pessoas mais carenciadas e fragilizadas, reduzindo, assim, o número de pessoas em circulação.