O Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho recebeu duas caravanas, cedidas por particulares e com capacidade para 10 pessoas, destinadas ao descanso dos profissionais de saúde envolvidos no combate à Covid-19, ficando estacionadas junto às tendas de campanha.

A entrega das duas viaturas, verificada na quinta-feira ao início da noite, foi feita através do movimento “ISTAR contra o Covid-19”, criado pelo caravanista Pedro Castro e que já reuniu cerca de duas centenas de veículos entre caravanas e autocaravanas que “ficarão pelo tempo que for necessário” nas unidades de saúde.

Numa altura em que o movimento luta contra o tempo para, até sábado, entregar todas as viaturas disponibilizadas, aquele hospital em Vila Nova de Gaia, no distrito do Porto, foi o primeiro a receber os novos equipamentos, um de manhã e outro ao princípio da noite.

Hugo Bastos, de Vila do Conde, fez na quinta-feira uma espécie de contrarrelógio, depois de “ter recebido o apoio total da família para abraçar o projeto”, para cerca das 20h30 estar a entregar a sua caravana equipada com “um beliche e duas camas de casal” no centro hospitalar.

Hoje fiz 250 quilómetros para que a caravana fosse entregue, estava guardada em Cinfães”, disse à Lusa Hugo Bastos, sem esconder o “orgulho e a comoção” pelo que acabara de fazer.

Frisando que a família “está mentalizada de que em 2020 não vai gozar férias na caravana”, Hugo Bastos destacou o contributo dos dois filhos, de 7 e 9 anos, que deixaram na caravana um desenho para que “os profissionais que lá vão dormir sintam um ambiente mais familiar”.

Pedro Castro, promotor da ação, deu o exemplo e esteve de manhã no hospital para entregar a sua caravana com “capacidade para quatro pessoas [lá] dormirem”.

Privei-me do parque de campismo que tenho na Madalena [Vila Nova de Gaia], que está fechado e que abrirá apenas para emergências, para poder ajudar estes profissionais”, acrescentou à Lusa.

Sobre a adesão ao seu projeto, disse estar “200% acima do que esperava”, mas lamentou “a muita burocracia para que as caravanas e autocaravanas possam chegar aos hospitais a que se destinam”, ainda por cima quando estão “em contrarrelógio”.

“Na região Centro temos mais de 30 equipamentos para ceder aos hospitais e no Sul esse número é superior a uma centena”, contou.

Fonte do hospital informou a Lusa que as “duas caravanas foram desinfetadas durante esta noite para que pudessem ser ocupadas pelos profissionais de saúde que terminaram o seu turno ao início da manhã”.

Destinam-se, exclusivamente, para o descanso dos profissionais de saúde, uma vez que não possuem características para funcionar como local de isolamento”, declarou a mesma fonte.

Atualmente, o movimento está a articular com as Administração Regional de Saúde para perceber as necessidades e distribuir as viaturas de alojamento, mas 14 caravanas e autocaravanas vão ser já encaminhadas para o Norte, repartidas pelos hospitais de Gaia, São João, Santo António Pedro Hispano, Guimarães e Penafiel.