A  Direção-Geral de Saúde não explica, e até desaconselha, o uso de máscaras e luvas porque não há material para toda a população. A diretora-geral de saúde admitiu esta sexta-feira que “no futuro, havendo para todos, com medidas pedagógicas, esta poderá ser considerada uma medida útil”, mas “à data, não havendo material para toda a gente, porque não há, não vale a pena dizermos que há, nós temos de proteger cuidadores, profissionais de saúde, bombeiros e as pessoas que prestam serviço a outros e que podem estar infetados”.

A DGS tem dito que não aconselha o uso deste material porque a má utilização podia potenciar a infeção em vez de a reduzir. Agora diz que esta opção só seria uma mais-valia, segundo Graça Freitas, se existisse “material de proteção para 10 milhões de pessoas, todos os dias, várias vezes ao dia e utilizados corretamente“. No atual contexto, de escassez de material de proteção, o  “uso das máscaras deve ser parcimonioso e deve ser feito de acordo com prioridades”.

Para Graça Freitas a “principal medida” para travar o surto é “o isolamento e o distanciamento social, muito mais do que as máscaras“. A diretora-geral de saúde adverte ainda que se um dia se avançar para o uso generalizado destes materiais por toda a população, as “máscaras podem ter um efeito demasiado tranquilizador” e dar uma “falsa sensação de segurança”, em que as pessoas pensem que ao usar a máscara podem facilitar no “contacto direto com amigos, vizinhos, pessoas da rua”.

[Vídeo. O essencial da conferência da DGS:]

Quem entrar em Portugal tem de ficar de quarentena 14 dias

A diretora-geral de saúde explicou ainda que vai haver uma norma nova, que entra em vigor na próxima semana, para que “quem entre em Portugal vai ter de ficar em isolamento profilático durante 14 dias.” Essa é a indicação genérica, mas as autoridades de saúde competentes “podem fazer uma avaliação mais fina do risco e tomar medidas que excecionem esta regra.”

Graça Freitas explicou ainda porque às vezes há discrepância entre os números noticiados e os que aparecem no boletim, respondendo sobre o caso específico da Madeira, em que a região tem seis casos confirmados e no boletim aparece apenas um. A diretora-geral de saúde explica que “o boletim contabiliza os casos reportados no sistema eletrónico à meia-noite no dia anterior”, e neste caso que há um segundo caso que foi confirmado já após a meia-noite e mais quatro casos que deram positivo na Madeira “mas têm de ser testados novamente no Instituto Ricardo Jorge”.

Aumentar os testes é uma prioridade

O secretário de Estado, António Sales, diz que “aumentar a testagem também é uma prioridade” e para isso estão a ser englobados “novos laboratórios na rede”. O governante diz que o mercado tem apresentado soluções, que são noticiadas na comunicação social, mas avisa que todas estas opções têm de ter um “crivo de segurança” do Instituto Ricardo Jorge, já que a “fiabilidade dos testes” é determinante para travar o surto.

Instada a confirmar se os testes desceram de 1000 para 800 no último dia, Graça Freitas diz que até houve mais de mil testes no último dia e que “o número de testes que está a ser feito, varia e não é obrigatório ser crescente, depende da quantidade de pessoas que foi triada”. A diretora-geral de saúde garante que “todos os que têm indicação para fazer teste, fazem” e lembra que “a maior parte são negativos”. Graça Freitas confirma que tem capacidade para fazer “9 mil testes por dia”, mas lembra que além dos testes é necessário que sejam validados pelo “Instituto Ricardo Jorge” e que seguem as regras definidas de testagem.

“Tempos de resposta da linha SNS 24 não são os que gostaríamos”

António Sales garantiu ainda que o executivo continua “a robustecer a resposta do Serviço Nacional de Saúde no que toca a equipamentos, formação e acesso”. A linha SNS 24, lembra António Sales, “é e continua a ser a porta de entrada dos utentes no circuito Covid-19 e como tal continuamos a melhorar a capacidade de resposta deste serviço”. O secretário de Estado recorda que é “graças a este circuito que se tem conseguido evitar uma procura descontrolada dos serviços de urgência”. E faz um apelo: “Pedimos que continuem a respeitar este circuito. Não se desloquem às urgências por razões de Covid-19 sem orientação prévia do SNS 24”.

O governante diz que os tempos de resposta à Linha SNS 24 “ainda não são aqueles que gostaríamos que fossem”, mas diz que continuam a ser feitos esforços para “melhorar o serviço”.

O secretário de Estado da Saúde diz que a Linha de Atendimento Médico bateu ontem um recorde com 4150 chamadas, com 40 médicos voluntários em atendimento simultâneo. António Sales diz que está a “estudar um conjunto de respostas para adquirir ventiladores, monitores e outros materiais” que são adequadas “caso a caso” e “no tempo”. Confirma que está a ir ao exterior, incluido à China, para ir buscar materiais.

Pode ouvir aqui a conferência na íntegra.