Há novas medidas na recolha de resíduos da cidade devido à epidemia da Covid-19. A principal mudança é a suspensão da recolha seletiva porta-a-porta de resíduos recicláveis, como vidros, papel e plástico, ficando apenas em funcionamento os Ecopontos já existentes nas principais áreas da cidade.

Já o lixo doméstico vai continuar a ser recolhido como até aqui, porta-a-porta, mas apenas três dias por semana.

Todas estas mudanças vão obrigar a um “reforço cívico” dos lisboetas, que terão de encontrar o Ecoponto mais próximo das suas casas, se quiserem garantir a reciclagem de resíduos.

A reciclagem acabou. Não há capacidade humana para garantir essa recolha porta-a-porta. Já estamos a fazer turnos semanais para garantir a rotatividade dos trabalhadores envolvidos nas operações de recolha e tratamento de resíduos. Não podemos colocar essas pessoas em risco”, garante ao Observador fonte da Câmara Municipal de Lisboa.

Porque se isso acontecesse, não era só a reciclagem que acabava. “Era toda a higiene urbana que ficava em causa”. Para este ano, estão também suspensas as metas propostas pela União Europeia para a reciclagem de resíduos.

Com estas medidas, a CML pretende, também, garantir a “proteção da saúde pública e controlar os fatores de disseminação da doença e contágio por Covid-19”. E é por isso que pede a todas as famílias com pessoas infetadas (ou com essa suspeita) que coloquem os seus resíduos em sacos de lixo resistentes e descartáveis. Esses sacos, devidamente fechados, devem ser colocados dentro de um 2.º saco, também devidamente fechado, e depositados no contentor de resíduos indiferenciados. Já as máscaras e luvas devem ser colocadas no contentor do lixo indiferenciado e nunca nos ecopontos. A recomendação é do Ministério do Ambiente e da Ação Climática face ao aumento do número de equipamentos de proteção descartáveis (como luvas, máscaras ou batas) que estão a ser despejados nos ecopontos.

O mesmo já se passa em cidades como Amesterdão, Paris, Los Angeles e Roterdão, com quem os serviços de higiene urbana de Lisboa têm mantido contactos nas últimas semanas.

Conheça as alterações nos serviços de recolha:

  • Está suspensa a recolha seletiva porta-a-porta de vidro em espaços comerciais
  • Está suspensa a recolha seletiva porta-a-porta de papel, plástico ou vidros. Os resíduos indiferenciados passam a ser recolhidos três vezes por semana.
  • Mantém-se a recolha seletiva nos Ecopontos de superfície e subterrâneos
  • Estão suspensos todos os serviços de recolha realizados através do atendimento do município (como objetos volumosos, resíduos de construção ou de jardins)
  • Estão encerrados ao público os Parques de Apoio à Higiene Urbana (irão continuar em funcionamento apenas para as Juntas de Freguesia)
  • Mantém-se a recolha seletiva porta-a-porta de biorresíduos (resíduos alimentares) nos espaços comerciais e no projeto piloto doméstico na Alta de Lisboa
  • As máscaras e luvas devem ser colocadas sempre no contentor do lixo indiferenciado e nunca nos ecopontos, que são apenas dedicados a resíduos de embalagens, vidro e papel