O britânico James May, juntamente com Jeremy Clarkson e Richard Hammond, anima o The Grand Tour, o mais conhecido e dispendioso programa de televisão sobre automóveis, com a tripla a contactar com o seu público igualmente através do Drive Tribe, um site com canal de YouTube. E é exactamente através do Drive Tribe que James May comunica habitualmente. Em Janeiro de 2019, May partilhou com quem o segue que, na sua opinião, o melhor carro de 2018 foi o Alpine A110, que adquiriu, em detrimento do Porsche 718 Cayman e Alfa Romeo 4C. Agora veio a público partilhar a sua indecisão entre dois eléctricos: o BMW i3, que já possui, e o novo Mini Cooper SE, que estava a ponderar comprar.

No vídeo, que pode ver abaixo, May e um colega do Drive Tribe comentam vantagens e inconvenientes do Mini eléctrico face ao seu “irmão” BMW i3, de quem o Mini herda o motor, mas não a bateria.

O Mini Cooper SE é mais atraente à vista, usufruindo da imagem da marca (com óbvio ar rétro) e do facto de ser mais largo, mais baixo e com maior superfície vidrada. O acesso ao interior pode ser pior, dado possuir apenas duas portas, com o i3 a impor-se com as suas portas traseiras do tipo suicida. A mala, com 211 litros para o Mini e 260 para o BMW, favorece o modelo germânico, o que é normal devido ao facto de ser mais comprido 15 cm.

James May, do The Grand Tour, comprou o seu carro do ano

Segundo o ensaiador de serviço, o Mini eléctrico é menos confortável do que o normal, com motor de combustão, o que se aceita pelo seu maior peso (a presença das baterias a isso obriga…), mas parece que o BMW continua a ser menos agradável neste domínio. Ainda assim, o i3 é mais leve, devido ao chassi e carroçaria com muita fibra de carbono, o explica a maior agilidade. O comportamento em curva favorece igualmente o Mini, mais baixo e largo, com o i3 a ser prejudicado por ser alto e estreito.

3 fotos

O motor do Cooper SE é o mesmo do i3S, com 184 cv (o i3 normal tem 170 cv), pelo que as grandes diferenças resumem-se à bateria. Ao ter sido concebido de raiz como carro eléctrico, o BMW i3 tem mais espaço para alojar o pack de acumuladores, permitindo encaixar 42,2 kWh, em vez dos 32,6 kWh do Mini. Isto em termos de capacidade bruta, pois na útil o Cooper SE (que usa a mesma plataforma das versões com motores de combustão) tem apenas 28,9 kWh, enquanto o i3S chega aos 37,9 kWh.

É esta maior capacidade da bateria que explica que o i3S consiga percorrer (em WLTP) 279 km entre visitas ao posto de carga, contra 230 km do Cooper SE. Ambos os modelos figuram na faixa inferior do mercado, em termos de autonomia, mas o Mini perde claramente para o seu irmão do grupo BMW.  A vantagem do Mini reside no preço, pois a versão mais acessível é proposta por 34.400€, contra 42.100€ do i3 e 45.600€ do i3S.

Veja o vídeo e perceba se, afinal, James May vai adquirir o novo Mini ou, pelo contrário, se mantém fiel ao i3.