O futebol parou. Parou em Portugal, parou um pouco por todo o mundo (menos na Bielorrússia, um país que teve 76 casos positivos, 15 já recuperaram e não houve mortes, onde existe até um apelo para os adeptos encherem os estádios). Nesta altura, também de forma transversal, só existe uma preocupação: apelar às pessoas para que não saiam de casa, para que respeitem as regras das autoridades, para que se protejam a si e aos outros. No entanto, e em paralelo, há pequenas movimentações que a breve prazo se podem estender a todos. Se por um lado surgiu o caso do Hearts, que propôs a todos os funcionários um corte de 50% nos ordenados, também há o exemplo dos jogadores do Borussia Mönchengladbach, que tomaram a iniciativa de nesta altura baixarem os vencimentos. A médio prazo, outros desafios aparecerão pela frente. E o FC Porto é um desses casos.

FC Porto obrigado a dezenas de milhões em mais-valias. As semelhanças (e as diferenças) com o cenário em 2016

Depois do relatório do primeiro semestre, e muito por culpa da não entrada dos azuis e brancos na Champions, tornou-se evidente a necessidade de realizar mais valias até 30 de junho para equilibrar as contas que passaram a ser acompanhadas pela UEFA por andarem no vermelho. Em condições normais, as dez últimas jornadas da Liga e a final da Taça de Portugal teriam também o condão de servir de também de “montra” para essas alienações que surgiam como inevitáveis. Agora, perante o atual cenário, tudo mudou. Mas nem por isso as equipas deixam de planear já a próxima temporada é aqui que, de forma indireta, entram os dragões.

De acordo com o Sport, Alex Telles, lateral esquerdo brasileiro, é um dos quatro reforços desejados pelo Barcelona para a época de 2020/21 – sendo que, já noutras janelas de mercado, o internacional estava entre as hipóteses dos catalães para um lugar que pretendem reforçar, encontrando uma alternativa ao espanhol Jordi Alba. Até à interrupção das provas nacionais e europeias, Telles levava dez golos em 40 jogos, sendo o melhor marcador do FC Porto na Primeira Liga com oito golos em 23 encontros realizados até ao momento.

A mensagem na roda, a tosse e um terço, dedicados a Marega: como Alex Telles continua a fazer história

Nas abordagens anteriores, Pinto da Costa não terá mostrado abertura para negociar a cláusula do esquerdino, de 40 milhões de euros, um valor considerado demasiado alto e que levou os blaugrana a virarem-se para Junior Firpo, dominicano do Betis que custou 18 milhões mas que tem demonstrado dificuldades de adaptação. A favor do Barcelona estará, segundo a publicação, a falta de abertura do brasileiro para renovar o contrato que acaba em 2021, o que podia levar, caso assim ficasse negociado, um aumento da cláusula de saída.

Há 15 anos que um defesa não marcava tantos golos no FC Porto: o nome dele é Telles, Alex Telles

No entanto, o campeão espanhol poderá não ser o único interessado na contratação de Alex Telles. O Chelsea, que tem na posição Marcos Alonso e Emerson, estará na linha da frente das equipas que seguem o lateral esquerdo (a par do inglês Ben Chilwell) mas não será o único. Certo é que, com a interrupção das competições nas próximas semanas mas o tempo a correr, é provável que as negociações comecem a acelerar a médio prazo tendo a fronteira de 30 de junho, último dia do exercício de 2019/20, como data limite para realizar algumas vendas.