O antigo jornalista Paulo Silva, vice-presidente da Casa da Imprensa, morreu este domingo, no Porto, ao 59 anos, disse à agência Lusa fonte da associação mutualista.

Paulo Silva, que fez parte dos quadros do Jornal de Notícias (JN), encontrava-se internado no Instituto Português de Oncologia, no Porto, onde voltara a dar entrada na passada sexta-feira, disse a Casa da Imprensa à Lusa.

Paulo Manuel Fernandes da Silva nasceu em Angola, em 1960, fixou-se com a família, no Porto, em 1975, e iniciou a carreira de jornalista na área do desporto automóvel, em publicações como AutoSport e O Jogo, antes de entrar no JN, em 1994.

Fundou e dirigiu a editora Letras de Ferro, com sede na Senhora da Hora.

Em 2012, em plena crise, com um grupo de jornalistas desempregados, criou e dirigiu o semanário A Manhã, em Gondomar, projeto editorial de “profissionais que conheciam a realidade e arriscaram o lançamento de um jornal (…), num concelho mal servido pela imprensa, quer local quer nacional”, como então se apresentou.

A publicação de A Manhã viria a ser suspensa no final do primeiro trimestre de 2013, por falta de meios, com a intensificação da crise.

Atualmente Paulo Silva era assessor de comunicação da Câmara de Gondomar.