Os governos dos diferentes países estão a solicitar aos fabricantes de automóveis para, agora que têm as suas fábricas paradas para poupar a saúde dos operários, que recorram à sua tecnologia e meios para ajudar a produzir o material hospitalar que tanta falta faz para salvar os infectados pelo coronavírus. E a Volkswagen, como o maior fabricante europeu, é chamada a desempenhar o seu papel. Mas tem uma abordagem distinta.

Com mais de 125 impressoras industriais 3D nas suas linhas de produção, o fabricante alemão está a testar materiais e redes de fornecimento. “Equipamento médico é um novo campo para nós, mas assim que controlemos os requisitos e recebamos os desenhos das peças a fabricar, estamos em condições de começar”, afirmou um porta-voz do grupo, avançando que “alguns componentes protótipo já foram impressos em equipamentos tridimensionais na Skoda”.

Também a marca mais luxuosa do grupo está pronta a avançar com a fabricação de equipamentos que possam salvar vidas. “Quando é necessário, nós conseguimos sempre estar à altura e isto será igualmente verdade com os ventiladores”, declarou o CEO da Bentley, Adrian Hallmark. “Basta que nos mostrem o que precisam e nos dêem a oportunidade de produzir”, acrescenta.

Também o CEO da Porsche, Oliver Blume, se juntou ao esforço do grupo alemão. “Estamos a reunir ideias acerca do que podemos fazer em termos de ajuda humanitária”, avançou à Automotive News.

Para se aperceber do potencial das impressoras 3D, veja aqui os modelos que as empresas aeroespaciais, como a SpaceX, usam para fabricar os seus depósitos de combustível e partes dos motores: