Há farmácias portuguesas a esgotar os stocks de insulina, produto essencial para os diabéticos, devido à preocupação provocada pela pandemia da Covid-19, escreveu esta sexta-feira o Correio da Manhã, que conta a história de um diabético que teve de percorrer 340 quilómetros, entre a Amadora e Pombal, para comprar a quantidade de insulina de que precisava. Contudo, a falta de stock não é confirmada pelas farmácias.

A Sociedade Portuguesa de Diabetologia (SPD), a Sociedade Portuguesa de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo (SPEDM), o Núcleo de Estudos da Diabetes Mellitus (NEDM) da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI), a Associação Nacional de Farmácias (ANF) e Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica (APIFARMA), o Infarmed e a Associação Protetora dos Diabéticos de Portugal (APDP), desmentem.

Segundo o presidente da APDP, José Boavida, na origem do problema está a corrida às farmácias protagonizada por muitos diabéticos, preocupados com a entrada do país em estado de emergência por causa da pandemia, para comprar “reservas para três a seis meses”.

Covid-19. Com mais de 500 mil casos em todo o mundo, Portugal é dos 20 países mais afetados

“As empresas também têm planos de contingência, pelo que chegam menos unidades de insulina do que antes”, acrescentou José Boavida. Para apoiar os diabéticos nesta fase mais crítica, a associação tem uma linha telefónica (21 381 61 61) gratuita para aconselhar os diabéticos e uma farmácia própria que faz entrega de medicamentos ao domicílio.

Uma fonte da Ordem dos Farmacêuticos citada pelo Correio da Manhã fala também numa espécie de “racionamento” da insulina nas farmácias, que muitas vezes dizem que têm “pouca insulina, de forma a que não fiquem a zeros”.

Stocks estão a ser reforçados, garante Infarmed

A APDP e o Infarmed garantiram, já depois da publicação da notícia, que as empresas que fabricam insulina estão a reforçar os stocks de modo a garantir que não há falhas de fornecimento durante a fase mais crítica do estado de emergência motivado pela pandemia.

“Queremos tranquilizar as pessoas com diabetes que possam temer não ter medicamentos para as próximas semanas. Perante a denúncia de escassez de insulina feita hoje pela comunicação social, falámos com o Infarmed que nos garantiu que as empresas que fabricam este medicamento estão a reforçar os stocks de forma a garantir que não há falhas de fornecimento durante esta crise que atravessamos”, explica José Manuel Boavida, presidente da APDP, num comunicado enviado aos meios de comunicação social.

“No entanto vamos continuar a acompanhar atentamente esta situação e aconselhar todas as pessoas com diabetes que nos contactem a adquirir apenas as quantidades de medicamentos de que realmente necessitam para que não se registem demoras na reposição de stocks nas farmácias. O açambarcamento é grave no que toca aos produtos alimentares e também no que toca aos medicamentos”, concluiu José Manuel Boavida.

Segundo os dados de quinta-feira, a pandemia da Covid-19 já infetou pelo menos 3.544 pessoas em Portugal e provocou a morte a 60 doentes. A nível mundial, já se regista mais de meio milhão de doentes e perto de 25 mil mortes.

Farmácias desmentem e dizem: “Continua a ser assegurado o abastecimento”

Num comunicado conjunto, as principais associações de farmácias, referidas no início deste artigo, são perentórias: “Continua a ser assegurado o abastecimento do país com as insulinas necessárias para a Saúde dos portugueses e este medicamento continua a ser disponibilizado aos doentes diabéticos em Portugal”. De acordo com o documento enviado às redações, “as principais companhias farmacêuticas que operam na área das insulinas abasteceram o mercado com mais 20% de insulina”.

Não há qualquer necessidade de fazer armazenamento suplementar de insulina porque não há, nem se prevê, qualquer falha no abastecimento”, dizem farmácias.

Estas associações, deixam ainda um pedido: “Apelamos a todos os cidadãos para que, no momento da aquisição de medicamentos e de outros produtos de saúde, adoptem uma atitude responsável e evitem a aquisição de produtos de saúde em número superior às suas reais necessidades”. As sociedades referidas afirmam também que estão “linha de informação que possibilitará aos cidadãos esclarecer todas as dúvidas junto dos médicos”.

Agradecemos o empenho de todos os Profissionais de Saúde, o empenho de todos os agentes e colaboradores que integram o circuito do medicamento, e de todos os cidadãos. Juntos e com informação rigorosa é mais fácil ultrapassar esta pandemia”, diz ainda o comunicado.

Artigo atualizado às 9h56 com a informação de que o Infarmed já garantiu o reforço dos stocks de insulina.

Artigo atualizado novamente às 13h26 com a informação do comunicado da Sociedade Portuguesa de Diabetologia (SPD), da Sociedade Portuguesa de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo (SPEDM), do Núcleo de Estudos da Diabetes Mellitus (NEDM) da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI), da Associação Nacional de Farmácias (ANF) da Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica (APIFARMA) a afirmar que os stocks estão garantidos.