Há uma nova novela em Espanha a entreter os nossos vizinhos do lado nestes tempos difíceis da Covid-19. E os protagonistas são duas estrelas da casa: a designer Ágatha Ruiz de La Prada e o ex-marido, Pedro J. Ramírez, atual diretor do jornal El Español, posto que ocupou após ter saído (a mal) da direção do El Mundo.

Ágatha Ruiz de La Prada deu uma entrevista ao El Mundo — sim, o antigo trabalho do ex-marido — em que insinua que Pedro J. Ramírez está infetado com o coronavírus porque a atual mulher do jornalista, Cruz Sánchez de Lara, a quem a designer chama “feminazi”, participou numa manifestação no Dia Internacional da Mulher.

Se o divórcio entre Pedro J. Ramírez e o El Mundo há seis anos não foi fácil, a separação de Ágatha Ruiz de La Prada também não o foi — e a amargura que resultou de ambos os relacionamentos não é segredo para os espanhóis. Mas o golpe que juntou a designer e o jornal elevou o mau estar a outro nível e obrigou o atual diretor do El Español a reagir.

No Twitter, o jornalista escreveu: ” Tudo tem um limite e, desta vez, ele foi ultrapassado pelo jornal que fundei e dirigi por 25 anos com a minha ex com esta maldade”.

Foi o primeiro tweet num rol de sete mensagens em que Pedro J. Ramírez promete levar o El Mundo, os seus diretores e a designer com quem esteve casado durante 30 anos a tribunal: “Acabei de instruir os meus advogados a agir em todas as frentes possíveis. Por quatro anos, fiquei em silêncio diante dos contínuos insultos e vexações, mas esta expressão de ódio é outra coisa”, anunciou.

Depois, num desabafo de três tweets, o jornalista explica que nunca fez o teste para o novo coronavírus, embora tenha sido tratado pelo médico como tal. Quanto à atual mulher, disse que”só alguém muito perverso pode ligar o contágio à defesa do feminismo e da igualdade que sempre caracterizaram a Cruz”.

E desmentiu que a advogada tenha estado na marcha do Dia da Mulher: “Nada é tão nazi quanto chamar alguém de nazi sem motivo. E, principalmente, apresentá-lo como foco de contágio de uma epidemia. A epidemia está mostar o melhor e o pior da humanidade. Quando tive febre, a Cruz esteve ao meu lado como nunca ninguém esteve. A solidariedade e generosidade dela para com os outros manifestou-se em nossa casa e isso fez de mim o mais afortunado dos seres”, elogiou.

As mensagens de Pedro J. Ramírez terminaram com uma reflexão sobre a vida: “O rancor, a maldade, o desejo de vingança expressam-se da forma mais reacionária e vulgar. A verdadeira aristocracia está no idealismo e na bondade humana. Finalmente tive a felicidade de encontrá-la e vou defendê-la em todas as áreas”.

Nem o jornal El Mundo, nem a designer Ágatha Ruiz de La Prada voltaram a falar sobre o assunto após a reação de Pedro J. Ramírez. Após a publicação da resposta à entrevista há uma semana, o diretor do El Español só tem publicado informações sobre a evolução do surto de coronavírus em Espanha e sobre a batalha global contra a pandemia. Agora é esperar pelos próximos episódios.