Obrigado por ser nosso assinante. Pode ler este e todos os artigos do Observador em qualquer dispositivo.

É uma sequência com o seu quê de insólito: Nuno Markl passa a Bruno Nogueira, que passa a mais de 40 mil seguidores do Instagram, que pedem a uma rádio perdida no Pólo Norte para passar Mário Laginha. E, no fim de tudo, o streaming da rádio vem abaixo. Aconteceu tudo, a partir do mundo das redes sociais e em pleno período de isolamento social.

Começando pelo princípio. O humorista Bruno Nogueira tornou-se num fenómeno do Instagram neste período de confinamento domiciliário ao inaugurar na sua conta diretos diários (“Como é que o bicho mexe?”, é assim que se chama o espaço que começa a emitir lá pelas 23 horas), a partir de casa, em que vai falando com vários amigos (sobretudo outras figuras públicas). O que começou com uns poucos milhares de seguidores deu um salto numa semana e hoje já vai em em mais de 50 mil pessoas a acompanharem religiosamente as conversas que por ali decorrem. São sobre tudo e sobre nada, no tom típico e linguagem solta de Bruno Nogueira.

Nuno Markl é um dos que aparece praticamente todos os dias neste diretos, também a partir de sua casa, e esta terça-feira à noite contou que através da aplicação Radio Garden descobriu uma rádio no Pólo Norte, dirigida por um radialista, Cal Lockwood, que tinha, nessa altura, apenas três seguidores no Instagram (Nuno Markl era um). Primeiro desafio da noite: Markl pediu a quem estava a seguir o “Como é que o bicho mexe?” que passasse a seguir o homem que emitia em onda média no Pólo Norte e em streaming para o resto do mundo. Em poucos minutos o número de seguidores de Cal passou para os 20 mil. Mas a história não fica por aqui.

Depois, já em conversa com Nuno Lopes, Bruno Nogueira atira o segundo desafio: pedir a Cal para que passasse o pianista e compositor português Mário Laginha. E às 03h17 da manhã, aconteceu mesmo. O radialista norueguês – que passa sobretudo jazz e blues no Pólo Norte – já ia, esta quarta-feira à noite, com quase 50 mil seguidores, todos eles portugueses que seguiram os desafios. E ainda não é aqui que acaba, porque o resultado, na página da rádio de Cal, foi este (e tinha as cores nacionais):

Foi esta a imagem que a rádio Artic Outpost colocou no seu site a dar conta do “surto de ouvintes”. Na sua maioria portugueses.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Problemas de ligação devido a aumento de ouvintes”. O site foi abaixo com a invasão portuguesa. No fim na mensagem colocada por Cal Lockwood, um “Olá a Portugal” e a bandeira nacional a pontuar o aviso. Agora só é possível ouvi-la através da aplicação.

Esta quarta-feira, a abrir o “Como é que o bicho mexe?”, Bruno Nogueira teve Mário Laginha em direto, pelo que se passou na madrugada a partir do Pólo Norte. O compositor brincou: “É o topo da minha carreira”. E a interação à distância a partir do “topo do mundo” (como diz o próprio Cal na sua apresentação) continuou, com Markl a trocar mensagens com o radialista, que lhe agradeceu a fama: “É inacreditável!”. Nas últimas horas tem estado ocupado a tentar acrescentar capacidade ao servidor para resolver o problema da baixa do site perante tanta procura.

Mensagem enviada por Cal a Makl a agradecer a fama.