Vinte e duas albufeiras das 59 monitorizadas tinham, no final de março, disponibilidades hídricas superiores a 80% do volume total, enquanto 14 apresentavam valores inferiores a 40%, segundo dados do Serviço Nacional de informação de Recursos Hídricos (SNIRH).

No último dia do mês de março e comparativamente ao mês anterior verificou-se um aumento do volume armazenado em seis bacias hidrográficas e descida em outras seis. As bacias do Barlavento (31,1%) e do Sado (38,7%) eram as que apresentavam no final de março menor disponibilidade de água, seguido de Mira (48,6%).

De acordo com os dados do SNIRH, as bacias do Cávado (86,9%), Ave (84,5%), Douro (82,9%), Mondego (81%), Tejo (80,6%), Lima (65,5), Guadiana (64,3%), Arade (57,9%) e Oeste (51,8%) tinham os níveis mais altos de armazenamento no final de março.

Os armazenamentos de março de 2020 por bacia hidrográfica apresentaram-se inferiores às médias de março (1990/91 a 2018/19), com exceção para as bacias do Cávado/Ribeiras Costeiras, Ave, Douro, Mondego e Tejo.

A cada bacia hidrográfica pode corresponder mais do que uma albufeira.