Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Desde quarentena obrigatória para quem chegava ao país até ao uso de uma aplicação que rastreia contactos entre pessoas, Israel tem feito de tudo para conter a subida do número de mortes e infetados no país. E tem resultado: até agora registou 7,030 casos e 36 mortes, segundo o World Meter.

Israel anunciou o primeiro infetado com Covid-19 no dia 21 de fevereiro. O caso dizia respeito a um passageiro a bordo do navio cruzeiro Diamond Princess, que estava no Japão. E as medidas não tardaram a chegar.

No dia seguinte, o governo israelita anunciou as primeiras duas: proibiu a entrada no país de cidadãos da Coreia do Sul e do Japão e impôs um período de quarentena de 14 dias a todos os israelitas que tivessem estado num destes países nas duas semanas anteriores. Cinco dias depois, a lista foi aumentada: China, Tailândia, Singapura, Espanha e Itália também passaram a estar englobados nas restrições.

O país só registou o vigésimo caso dezassete dias depois da primeira confirmação, ou seja, no dia 9 de março – uma evolução muito mais lenta do que a registada, por exemplo, em Portugal, que anunciou o primeiro caso no dia 2 de março e apenas cinco dias depois tinha já atingido os 21 casos confirmados. Por esta altura, Israel tinha já adotado uma série de medidas para evitar a propagação do vírus: fechou fronteiras, implementou isolamento obrigatório para todos os que chegassem ao país, proibiu concentrações com mais de 100 pessoas e alertou a população para os cuidados a ter.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Curiosamente, Espanha e Itália registaram o seu primeiro positivo no mesmo dia, a 31 de janeiro, o nosso foi no dia 21 de fevereiro. Isso deu-nos três semanas de margem essenciais para nos preparar, e levámos isso muito a sério. Quando o primeiro caso chegou, já havia um plano, já sabíamos quais seriam os próximos passos a seguir no dia seguinte“, explicou a investigadora Michal Linial, professora do Departamento de Química Biológica da Universidade Hebraica de Jerusalém e uma das primeiras do país a publicas um artigo científico sobre o coronavírus, em entrevista ao El Confidencial.

A investigadora explica ainda que a razão para isto foi simples: “O sistema de saúde israelita não é tão poderoso quanto o da Espanha ou da Alemanha, temos muito menos camas e médicos por cada 100.000 habitantes, e em parte por isso, pelo medo do que poderia acontecer, pelo medo de perder vidas, algo profundamente enraizado na sociedade, foram tomadas medidas desde o início”.

Conforme o número de casos foi aumentando, também as medidas iam ficando mais rígidas. No dia 12 de março, quando já se registavam 105 casos confirmados mas ainda nenhuma morte, segundo o World Meter, Benjamin Netanyahu anunciou o encerramento de escolas e universidades.

“As restrições foram graduais, mas muito rápidas. Dois dias depois de as escolas, bares, restaurantes e museus fecharem. Após dois dias, todo a gente passou a trabalhar a partir de casa e o transporte público foi reduzido em 75%. O que durou até à declaração de estado de emergência no dia 19 e ao confinamento obrigatório de toda a população“, explicou Linial.

Aplicação rastreia contactos com infetados

No mesmo dia em que foi aprovado o estado de emergência (um dia antes da declaração), o governo anunciou outro dos pilares da sua estratégia: uma aplicação, que tem recebido duras críticas por representar uma invasão da privacidade, criada pelo serviço de inteligência israelita recorrendo a medidas antiterroristas, explica o Times of Israel.

A aplicação é um meio tecnológico destinado a dar a todos e cada um de nós a capacidade de saber com precisão e imediatamente se estivemos em contacto com uma pessoa infectada pelo coronavírus”, afirmou o comunicado, acrescentando: “Com isso, podemos parar a propagação da doença e proteger os mais próximos de nós.”

O seu funcionamento é simples e muito eficaz: depois de ser instalado no telemóvel, a aplicação tem acesso à localização da pessoa através do GPS e do Wi-Fi, mas, ao contrário de aplicações usadas noutros países, rastreia os contactos e não a localização. Isto significa que quando uma pessoa infetada com coronavírus transfere os seus dados para o governo, a aplicação descodifica com que pessoas é que o infetado se cruzou.

O Ministério da Defesa, por seu turno, apoiou a investigação realizada por uma outra start-up, Vocalis Health, que tenta desenvolver uma aplicação que permita aos profissionais de saúde detetar, apenas pelo som da voz, se é provável que uma pessoa tenha sido infetada, explica o Times of Israel.

“Trabalhamos dia e noite para desenvolver a aplicação”, disse à AFP Tal Wendrow, cofundador da start-up.