Quando em 2018 o actual CEO da Fiat Chrysler Automobiles, Mike Manley, era apenas o presidente da Jeep, prometeu que a marca especializada em veículos todo-o-terreno teria na sua gama quatro modelos eléctricos até 2022. Hoje é Christian Meunier quem ocupa a liderança do construtor, que já colocou no mercado o Renegade e o Compass em versão híbrida plug-in (PHEV) que, sendo 4×4, anunciam-se como mais amigos do ambiente, e 4xe pelo facto de a tracção traseira ficar a cargo de um motor eléctrico alimentado por bateria, o que torna o modelo mais eficiente no TT e ainda lhe permite circular 50 km em modo eléctrico.

Primeiros Jeep PHEV já têm preços para Portugal

Numa entrevista à Autocar, Meunier afirmou estar decidido em transformar a Jeep “numa marca moderna, contemporânea e sustentável”. Para o conseguir, o presidente da Jeep promete que, “em breve, vamos ver uma série de novos produtos, como versões eléctricas ou electrificadas, especialmente na Europa, numa oferta baseada no Renegade, Compass e Wrangler”, com a marca a ter revelado as versões PHEV 4xe destes três modelos no CES, em Janeiro.

Para o responsável da Jeep, “a electrificação acarreta tantas vantagens em termos de performance como de ecologia”, pois o motor eléctrico fornece mais força a regimes onde o motor de combustão não está tão à vontade. Recorda o responsável máximo pela marca que mais cresce dentro da FCA que “os PHEV representam uma boa solução, pois permitem circular em modo eléctrico sem impor a ansiedade da autonomia”.

Nem a Gladiator vai escapar. Jeep electrifica-se

Referindo-se especificamente ao Wrangler, Meunier pediu para imaginar “um Rubicon 100% eléctrico ou PHEV que vá de 0 a 96 km/h em seis segundos, o que permite ter uma capacidade de aceleração que nunca conseguiríamos com motor de combustão”. Segundo ele, a electrificação “melhora, inclusivamente,  as capacidades dos SUV Jeep, tornando-os mais excitantes dentro e fora de estrada”.