A comissária europeia da Saúde apelou esta segunda-feira aos Estados-membros da União Europeia (UE) para “abrirem os seus hospitais”, se tiverem capacidade, a outros cidadãos europeus que precisem de cuidados devido à covid-19.

Falando hoje com os ministros da Saúde da UE, pedi aos Estados-membros com capacidade [sobrante] para abrirem os seus hospitais e disponibilizarem equipamentos para os que mais necessitam”, anunciou Stella Kyriakides, numa publicação na rede social Twitter.

Numa altura em que Estados-membros como Itália e Espanha têm sistemas de saúde saturados devido à rápida propagação dos casos de Covid-19, a responsável nota que esta partilha de infraestruturas e meios “já aconteceu nos últimos dias”, por exemplo numa ajuda dada pela Alemanha, cuja força aérea transportou seis pacientes italianos com Covid-19 de Bérgamo para os cuidados intensivos de unidades de saúde alemãs.

Isto representa o melhor da UE. A solidariedade pode salvar vidas”, adianta Stella Kyriakides.

A publicação foi feita depois de a comissária europeia ter promovido uma teleconferência com ministros da Saúde da UE, o Centro Europeu de Controlo de Doenças e a Agência Europeia do Medicamento, visando acompanhar o desenvolvimento da pandemia na Europa.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, já infetou mais de 1,2 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 70 mil. Dos casos de infeção, mais de 240 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu, com mais de 676 mil infetados e mais de 50 mil mortos, é aquele onde se regista o maior número de casos, e a Itália é o país do mundo com mais vítimas mortais.