O ministro das Finanças da Alemanha, Olaf Scholz, anunciou esta segunda-feira que o Eurogrupo está a ponderar avançar com uma linha de crédito rápida destinada a Espanha que pode chegar a “uns 28 mil milhões de euros” para ajudar no combate à Covid-19.

Este instrumento recorrendo ao Mecanismo Europeu de Estabilidade não implica a presença de “comissários”, nem de “troikas” a estudar a situação “como há dez anos”, e ajudaria os Estados-membros mais necessitados a fazerem frente à pandemia do coronavírus, adiantou Scholz em conferência de imprensa.

O ministro das Finanças considerou que se trata de “montantes notáveis” para contribuir para a estabilização económica e mostrou-se “confiante” de que o Eurogrupo alcançará uma “decisão comum” esta terça-feira. Scholz pediu para serem deixados de lado “grandes debates” sobre os “corona-bonds”, pedidos por vários países da União Europeia, incluindo Portugal e Espanha, uma opção que já foi rejeitada pela Alemanha, Holanda e Finlândia.

Já esta segunda-feira Olaf Scholz tinha referido que os países que receberem ajuda financeira não terão de implementar pacotes de austeridade como aconteceu nos resgates na zona euro.

Ministro alemão. Países que precisem de ajuda, “desta vez, não vão ter uma troika a dizer como devem governar”

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, já infetou mais de 1,2 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 70 mil. Dos casos de infeção, mais de 240 mil são considerados curados.

A Espanha é o segundo país com maior número de mortes, registando 13.055 mortos, entre 135.759 casos de infeção confirmados até esta segunda-feira, enquanto os Estados Unidos, com 9.648 mortos, são o que contabiliza mais infetados (337.646).