A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) afirmou esta terça-feira que não estão agendadas inspeções periódicas de eletricidade ou gás, durante a pandemia Covid-19, aconselhando os consumidores, caso solicitem algum serviço, a pedir a identificação dos funcionários.

A ERSE contactou as empresas de eletricidade e de gás natural […] e confirmou que, durante o período da pandemia causada pela Covid-19, não estão agendadas nem previstas quaisquer inspeções periódicas nas casas dos consumidores, salvo em situações urgentes ou solicitadas pelo consumidor”, indicou o regulador, notando que estão a ser realizadas falsas inspeções, mediante o pagamento de cerca de 60 euros.

Assim, a ERSE aconselhou os consumidores a exigir a identificação dos funcionários, sempre que for solicitado algum serviço. O regulador energético vincou ainda ser necessário verificar se o serviço realizado é o que foi solicitado à empresa, acrescentando que, em caso de dúvida, deve ser contactado o fornecedor de gás natural ou eletricidade.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, já infetou mais de 1,3 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 75 mil. Dos casos de infeção, cerca de 290 mil são considerados curados.

Em Portugal, segundo o balanço feito esta terça-feira pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 345 mortes, mais 34 do que na véspera (+10,9%), e 12.442 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 712 em relação a segunda-feira (+6%). Dos infetados, 1.180 estão internados, 271 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 184 doentes que já recuperaram.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 2 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 0h de 19 de março e até ao final do dia 17 de abril, depois do prolongamento aprovado na quinta-feira na Assembleia da República.