O Reino Unido registou mais 936 mortes nas últimas 24 horas, elevando o número total de baixas 7.097 desde o início da epidemia, está a avançar a Sky News. O governo já tinha declarado mais 828 mortes em Inglaterra, 33 no País de Gales e cinco na Irlanda do Norte. Agora, a Escócia anunciou mais 70 mortes nas últimas 24h.

Neste momento, o número de casos confirmados de infeção pelo novo coronavírus está nos 60.733, com 5.492 testes positivos nas últimas 24 horas. O Reino Unido fez 12.959 testes desde as 17h de terça-feira, elevando a 232.708 o número total de testes realizados desde que a epidemia entrou no país.

Em conferência de imprensa, Rishi Sunak, ministro das Finanças britânico, garantiu que o primeiro-ministro Boris Johnson está “a melhorar”, mas continua internado nos cuidados intensivos. “Posso também garantir-vos que ele tem sentado na cama e está a envolver-se ativamente com a equipa clínica”, disse.

Também na comunicação ao país, Angela McLean, conselheira científica do governo, afirmou que “o vírus não está a acelerar fora do controlo”, o que constitui uma “boa notícia”.

De acordo com a especialista, os dados recolhidos desde o início da pandemia indicam que o Reino Unido já está a conseguir “achatar a curva” que expressa o número de pacientes internados nos cuidados intensivos. Ainda assim, Angela McLean avisa que o número de mortes pode aumentar — uma vez que as baixas podem ser anunciadas alguns dias depois de o paciente ter morrido.

Rishi Sunak anunciou ainda um pacote de 750 milhões de libras (856 milhões de euros) para ajudar o setor da solidariedade. Cerca de metade desse valor será investido em instituições pequenas, comunitárias e locais. Em Inglaterra, o dinheiro será distribuído pela Lotaria Nacional.

Mas, após uma questão de uma jornalista, o ministro sublinhou que não será capaz de salvar “todos os trabalhos, todas as empresas e todas as instituições de caridade”: “Isso simplesmente não é possível”, insistiu. E prosseguiu: “Fui muito claro e honesto de que isto terá um impacto significativo na economia.”