O presidente da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira revelou esta quarta-feira que ainda está por testar à Covid-19 um total de 875 pessoas desse concelho de Aveiro, distrito definido como prioritário pelo Governo no diagnóstico a seniores.

A informação disponibilizada à Lusa indica que em causa estão 15 instituições locais com valências de espaço residencial, o que envolve um universo de 490 utentes e 385 funcionários.

Emídio Sousa, presidente da autarquia, refere que os testes estão a ser preparados pela Administração Regional de Saúde do Norte e admite que, independentemente de quem se decida a suportar a despesas dos exames, nomeadamente Estado ou município, atualmente “o problema não se prende com a capacidade de pagamento, mas sim com a escassez de recursos”.

Uma coisa é fazer colheitas e outra bem diferente é fazer os testes. Há centros de recolhas no país, pomposamente anunciados, que ainda se encontram encerrados e que não fizeram uma única recolha, entretanto”, disse o autarca.

Emídio Sousa reconheceu que é a falta de meios de diagnóstico e de equipas médicas que explica que o centro de rastreio instalado no parque de congressos da Feira esteja a realizar apenas 20% dos exames para os quais tem capacidade diária.

“O Europarque só está a realizar uns 80 testes por dia quando tem capacidade para fazer 400”, explicou já há dias à Lusa o autarca social-democrata, a propósito do centro de diagnóstico a funcionar sete dias por semana nesse equipamento, sob a coordenação técnica do Centro de Medicina Laboratorial Germano de Sousa.

Em todo o caso, Emídio Sousa afirmou esta quarta-feira que “a Câmara Municipal está a analisar todas as soluções possíveis, por forma a garantir a melhor e mais rápida resposta à população do concelho”.

Nesse território de 213,4 quilómetros quadrados e mais de 139.000 habitantes, a autarquia registava na segunda-feira às 20h um total de seis óbitos e 273 casos de infeção pela Covid-19.

O novo coronavírus responsável pela presente pandemia foi detetado na China em dezembro de 2019 e já infetou mais de 1,4 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais mais de 80.000 morreram. Ainda nesse universo de doentes, mais de 260.000 recuperaram.

A 17 de março, o Governo declarou o estado de calamidade pública no concelho de Ovar e, a 19 de março, o estado de emergência em todo o país. Ambos vigoram até às 23h59 do dia 17 de abril, sendo que a população está proibida de circular fora do seu concelho de residência de quinta-feira até segunda-feira, no que o objetivo é desincentivar viagens no período da Páscoa.