África tem 48 países com testes à Covid-19 e compete com o “mundo desenvolvido” no acesso a testes e material de proteção, revelou esta quinta-feira o diretor do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC).

John Nkengasong, que falava durante um encontro online com a comunicação social a partir de Adis Abeba, na Etiópia, sublinhou “o feito” que a União Africana alcançou ao conseguir que, em duas semanas, o número de países com capacidade de testar a Covid-19 passasse de dois para 43, situando-se atualmente nos 48.

“Se tivéssemos começado em janeiro, todos os países já teriam esta capacidades de diagnóstico”, disse.

O diretor do África CDC sublinhou que, graças à existência destes testes de diagnóstico, é possível quantificar esta quinta-feira o número de infetados no continente.

Segundo afirmou, África regista atualmente 11.400 casos em 52 países, com 572 mortos e 1.313 recuperados.

Aos jornalistas, John Nkengasong referiu que o continente está atualmente a competir com “o mundo desenvolvido” no acesso a estes diagnósticos e também a material de proteção como máscaras e fatos.

E deixou um recado: “O inimigo é o vírus e um vírus perigoso. Não podemos politizar esta situação, pois tal seria devastador para nós”.

O inimigo é o vírus e não organizações como a Organização Mundial de saúde (OMS) ou a União Africana“, advertiu.

Virologista de profissão, John Nkengasong assumiu que nunca imaginou que iria viver para um dia assistir a uma situação tão devastadora como a pandemia de covid-19.

“Quando estudamos virologia, estudamos estes casos nos livros, como a situação de 1918”, disse, numa referência à “gripe espanhola” que, entre 1918 e 1920, infetou 500 milhões de pessoas.

Os países africanos com mais infeções por covid-19 são atualmente a África do Sul (1.800), Argélia (1.500), Egito (1.500), Marrocos (1.200) e Camarões (650).

Em pelo menos uma dezena de outros países, o número de casos confirmados é na ordem das centenas.

Todos os países africanos lusófonos registam casos da doença, com a Guiné-Bissau a ser o mais afetado, contabilizando 33 pessoas com infeções pelo novo coronavírus.