Um estudo experimental, realizado pela Universidade de Altos Estudos Económicos de Moscovo e investigadores norte-americanos e divulgado esta quarta-feira, concluiu que os cursos online são tão eficazes como o modelo de aulas tradicional e são uma oportunidade para as universidades.

O estudo, publicado no boletim científico European Respiratory Journal, conclui que os cursos online oferecem uma oportunidade para expandir o acesso à educação de alta qualidade sem aumentar os custos, podendo dar às universidades a possibilidade de aumentar entre 15% a 18% o número de inscrições. Igor Chirikov, coordenador da equipa de investigação, considera que estes resultados demonstram que os cursos online não devem ser desconsiderados como método de ensino.

São uma ferramenta que aprimora as capacidades e os conhecimentos dos alunos da mesma maneira que as aulas presenciais”, comenta o especialista russo, citado num comunicado da universidade russa sobre o estudo, adiantando que, no contexto atual, é essencial investir em plataformas online avançadas, conteúdo interativo e novos métodos de ensino.

“Isso permitiria expandir o acesso à educação de alta qualidade sem custos adicionais consideráveis e daria aos alunos trajetórias educacionais flexíveis. Além disso, ajudaria as universidades a prepararem-se para várias situações imprevisíveis, como a pandemia do novo coronavírus”, argumenta.

A investigação englobou 325 estudantes de engenharia do segundo ano de universidades com recursos limitados. Os alunos fizeram dois cursos organizados pela plataforma nacional de educação aberta e foram divididos aleatoriamente em três grupos: o primeiro estudou presencialmente na universidade, o segundo assistiu a palestras online e participou em sessões de discussão presenciais, numa modalidade mista, e o terceiro grupo fez o curso inteiramente online.

Na comparação do desempenho, que analisou o nível de conhecimento da matéria, notas para trabalhos desenvolvidos durante o curso e satisfação, os resultados demonstraram que o nível médio de conhecimento adquirido foi o mesmo nos três grupos, com uma nota média das avaliações um pouco mais alta na modalidade online, pese embora a menor satisfação dos alunos.

O estudo realça ainda que, conseguindo resultados de aprendizagem equivalentes, o custo da instrução por aluno na modalidade mista é 15% a 19% menor e, na modalidade online, é 79% a 81% menor, o que, segundo os autores do estudo, poderá possibilitar às universidades acolher 15% a 18% mais estudantes pelo mesmo custo.