A presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, pediu esta quarta-feira aos Estados europeus para estarem “lado a lado” na resposta com medidas orçamentais à crise causada pela pandemia de Covid-19, numa altura em que há divergências.

É vital que a resposta orçamental a esta crise seja suficientemente forte em toda a zona euro. Os governos devem estar lado a lado para aplicarem em conjunto políticas adequadas a um choque comum pelo qual ninguém é responsável”, escreveu Lagarde, num artigo de opinião divulgado pelo jornal Le Monde e citado pela AFP.

As declarações da líder do BCE surgem depois de esta quarta-feira de madrugada a reunião do Eurogrupo ter sido suspensa após 16 horas de discussões sem consenso para um compromisso político sobre a resposta económica da Europa à crise provocada pela pandemia de Covid-19, sendo retomada na quinta-feira.

De um lado, vários países, encabeçados por Itália, defendem a emissão conjunta de dívida — os chamados “eurobonds” ou “coronabonds” — e o primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, já reafirmou a sua oposição a uma solução em forma de empréstimos do fundo de resgate da zona euro.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Do outro, um conjunto de países, liderados pela Holanda, rejeita liminarmente a mutualização da dívida, e, mesmo em relação a outras opções, quer impor condições. “Se alguns países não recuperarem, os outros vão sentir os efeitos disso. A solidariedade é do interesse de todos”, defendeu Lagarde.

O alinhamento total das políticas orçamentais e da política monetária e a igualdade de tratamento face ao vírus são o melhor meio de proteger a nossa capacidade produtiva e emprego, tendo em vista regressar a taxas de crescimento e de inflação sustentadas quando a pandemia terminar”, considerou a presidente do BCE.