Na conferência de imprensa diária no Reino Unido, Dominic Raab, o ministro dos Negócios Estrangeiros que exerce funções como primeiro-ministro na ausência de Boris Johnson, confirmou que o número de infetados é de 65.077 no Reino Unido, tendo morrido já um total de 7.978 pessoas. São mais 881 mortes do que ontem. O número de doentes hospitalizados é de 16.784.

Segundo o conselheiro para a área científica do governo britânico, Patrick Vallance, que acompanhou Dominic Raab na conferência de imprensa, é expectável que o número de mortes continue a aumentar nas próximas duas semanas, pelo menos, devido ao atraso nos casos reportados e ao crescimento dos casos internados em cuidados intensivos. Ainda assim, continua a haver camas no Serviço Nacional de Saúde, garantem.

Quanto ao estado de saúde de Boris Johnson, com quem Raab admite não ter voltado a falar desde que o primeiro-ministro foi hospitalizado, continua nos cuidados intensivos, mas “a dar passos positivos” e “com um bom estado de espírito”.

Na mesma conferência, Dominic Raab sublinhou ainda que ainda não é altura de levantar as restrições, antes pelo contrário. “Obrigado a todos pelo sacrifício que têm feito, mas ainda não chega. Temos de continuar”, disse, sublinhando que o governo “tomará a decisão certa no momento certo”.

O governo britânico continua a recolher dados no sentido de determinar os efeitos da paralisação do país e da economia e os efeitos das medidas restritivas de isolamento social, sendo ainda cedo para perceber se estão a dar resultados ou não. “As medidas têm de continuar até termos provas de que deram resultado”, disse ainda. “Por favor, fiquem em casa, neste fim de semana da Páscoa”, pediu ainda o primeiro-ministro em exercício.