É a forma de lidarem com o stress, o cansaço e a perda. Os profissionais de saúde nos Estados Unidos estão a dançar no local de trabalho para descomprimir da luta contra a Covid-19. No Instagram ou no Tik Tok, são centenas os vídeos de médicos, enfermeiros, auxiliares de ação médica, entre outros, a aderir a desafios de dança — uns mais sincronizados do que outros, mas com a boa intenção de trazer “um sorriso ou uma gargalhada” a quem os vê.

É disso exemplo Jason Campbell, um médico do estado do Oregon, que tem já dezenas de vídeos na sua conta de Tik Tok, gravados após turnos de 10 a 12 horas, segundo contou à CNN. “Os vídeos não pretendem diminuir a gravidade do vírus”, explica. “É suposto que sejam um pequeno lembrete dos tempos mais simples e que ponham as pessoas a sorrir ou a dar gargalhadas”, acrescenta. Para alguns, arrisca, pode ser “o único sorriso que tiveram durante o dia”.

Num outro vídeo, os profissionais brincam com os ‘efeitos’ das várias “refeições doadas” aos hospitais durante a pandemia:

Na Filadélfia, é a música “Level Up” de Ciara que dá o ritmo à equipa de enfermeiros do Thomas Jefferson University Hospital. “Traz-nos alegria“, diz Jeffrey Salvatore à CNN, acrescentando que a equipa ouve a música várias vezes ao dia para ficar motivada. “Ilumina-nos o espírito enquanto estamos a testar [pacientes] ao frio e à chuva”. O enfermeiro não esconde que “todos enfrentamos os mesmos medos. Temos medo de contrair o vírus e levá-lo para casa, para as nossas famílias”, afirma.

Mas Jeffrey Salvatore ressalva que os vídeos não são publicados “antes do nosso trabalho”. “Os pacientes são a nossa prioridade”. E garante que nenhum material médico é desperdiçado quando a dança é gravada.

O vídeo foi republicado pela própria Ciara que se diz “agradecida” a cada um dos profissionais de saúde pelo trabalhado “duro” e o “sacrifício” diário. E termina com a Hashtag #WereInThisTogether [Estamos nisto juntos].

Num outro vídeo, a equipa partilha as experiências durante o combate à Covid-19 num centro de testes. “Há muitas emoções”, “muitos estão ansiosos, é normal”, “há muita ansiedade quando pensamos que podemos levar o vírus para casa”, “é muito stressante”, “estamos todos assustados, mas sabemos que há muitos outros que também o estão e queremos ser as caras que eles encontram aqui que lhes trazem tranquilidade”, dizem vários profissionais de saúde. “Por favor, fiquem em casa”, pede uma das enfermeiras.

E é assim que se mantêm quentes, em dias frios, e em forma.

Ciara republicou um outro vídeo, desta vez com a participação de pacientes. “Estes vídeos estão a fazer-me chorar lágrimas de felicidade. O caminho para encontrar a alegria na tempestade”, escreve.

Já Brighton Peachey trabalha nas urgências de um hospital em Salt Lake City, no Utah, e numa “pausa no combate” decidiu mostrar a coordenação. “Estou muito grata por ter os melhores colegas. Tem sido incrível ver todos a trabalhar em conjunto e ver quão rapidamente responderam e implementaram novos procedimentos para lidarmos com esta crise de saúde pública”.

View this post on Instagram

Like if you ❤️ healthcare workers! . We are here to help you! Now please help us by staying home and following the CDC/W.H.O guidelines.???? My coworkers and I are on the frontlines of this thing. We put our own health, and our families health at risk each day. And we need your help. We all need to do our part and work together.☺️ . On our break from bustin coronavirus we decided to bust a move and it was a much needed outlet to lift our spirits. I’m so grateful to have the best coworkers an work at such a great organization. It’s been incredible to see everyone work together and how quickly responded to and implemented new procedures to handle this public health crisis. Comment if you liked this video and want to see more.

A post shared by b r i g h t o n p e a c h y (@brightnpeachey) on

Outros preparam uma saída em grande, para quando o combate ao coronavírus terminar.