O governador de Nova Iorque, Andrew Cuomo, anunciou na sua conferência de imprensa diária deste sábado que foram registadas mais 783 mortes por Covid-19 no estado de Nova Iorque, nas últimas 24 horas. “Podemos ver que o número de mortes está a estabilizar, mas está a estabilizar numa taxa horrível”, afirmou o governador. “Estes são números incríveis, que ilustram uma imensa dor e perda.”

Cuomo explicou ainda que a situação no seu estado “atingiu um pico em planalto”: “Era isto que muitos dos modelos previam, que não haveria um pico e logo depois uma queda. É sempre a subir, chega-se ao pico máximo, depois há um planalto durante algum tempo e parece que estamos aqui”, ilustrou o governador democrata.

A taxa de hospitalização baixou e isso é importante. No entanto, continuamos a ter mais infetados. As pessoas continuam a ir para o hospital, mas em números mais baixos”, explicou.

Cuomo acrescentou ainda que o estado de Nova Iorque reuniu uma equipa para estudar a melhor forma de evitar que uma segunda vaga deste novo coronavírus venha a afetar a cidade. “O pior que podia acontecer seria darmos um passo em falso e deixarmos as nossas emoções liderarem em vez da lógica e dos factos”, disse, quando questionado sobre qual a melhor data para pôr fim ao confinamento.

Ao todo, 8.627 pessoas morreram em Nova Iorque infetadas com Covid-19, até ao momento. Os dados são da Universidade Johns Hopkins, que também deu conta de que os Estados Unidos se tornaram neste sábado o país com mais mortes por Covid-19, ao atingirem os 18.860 óbitos, um número que ultrapassa os 18.849 que se registam em Itália neste momento.