O município de São Brás de Alportel criou duas zonas de apoio à população, em dois pavilhões desportivos, que estão equipados com 60 camas para acolher pessoas no âmbito da pandemia da covid-19, foi este sábado anunciado.

Em comunicado, a autarquia adianta que as áreas de acolhimento temporário para apoiar a população foram montadas no pavilhão desportivo da Escola Secundária José Belchior Viegas e no pavilhão municipal Dr. José de Sousa Pires.

Segundo o município, trata-se de “uma medida de antecipação para um cenário mais complexo e que o município espera que não se venha a concretizar”, mas que constitui uma resposta “para os desafios que possam surgir da evolução da situação” de pandemia do novo coronavírus.

“Vamos ficar em casa e cumprir as indicações da Direção-Geral da Saúde e da autarquia. Cada um de nós tem que fazer tudo para que estes espaços não venham a ser utilizados”, sublinha o presidente do município, Vitor Guerreiro, citado na nota.

A criação das duas zonas de apoio foi coordenada pelo Serviço Municipal de Proteção Civil, com o apoio da Unidade de Serviços Sociais e concretizada pelos trabalhadores da autarquia, com a colaboração dos Bombeiros Voluntários locais.

O Motoclube são-brasense “Os Unidos da Estrada”, o núcleo local da Cáritas e o Exército de Salvação contribuíram, igualmente, com a cedência de equipamentos e materiais.

Segundo o plano distrital das autoridades de saúde e proteção civil divulgado na sexta-feira, à data, estava prevista a entrada em funcionamento de 59 estruturas para apoio à população, num total de 3.101 camas.

Estas zonas de apoio à população têm três tipologias: isolamento profilático, quarentena e reserva social (apoio a lares), sendo que algumas têm múltiplas valências.

Está ainda em curso a preparação dois hospitais de campanha, no Pavilhão Desportivo da Penha, em Faro, e no Portimão Arena, em Portimão, ambos com capacidade para 80 a 100 pessoas.

A capacidade de internamento do hospital de Faro foi também ampliada, com a criação de 50 camas no Pavilhão do Farense, localizado junto ao hospital e que funcionará como retaguarda àquela unidade de saúde.

Em Portugal, segundo o balanço feito no sábado pela Direção-Geral da Saúde, registam-se 470 mortos, mais 35 do que na sexta-feira (+8%), e 15.987 casos de infeção confirmados, o que representa um aumento de 515 em relação a sexta-feira (+3,3%).

Dos infetados, 1.175 estão internados, 233 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 266 doentes que já recuperaram.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde 19 de março e até ao final do dia 17 de abril.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já provocou mais de 107 mil mortos e infetou mais de 1,7 milhões de pessoas em 193 países e territórios.

Dos casos de infeção, quase 345 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.