O governo moçambicano anunciou esta segunda-feira a suspensão de cobranças no fornecimento de água nas zonas rurais até o fim do estado de emergência, que vigora durante o mês de abril.

“As populações da zonas mais recônditas vão beneficiar de uma isenção completa no pagamento de água”, declarou o ministro das Obras, Habitação e Recursos Hídricos, João Machatine, falando a imprensa em Maputo. Segundo o governante, além da suspensão de pagamentos nas zonas rurais, o executivo moçambicano decidiu suspender a cobrança de multas ou dívidas e restabelecer ligações de instituições ou singulares que, por incumprimento do pagamento das faturas de água, viram este fornecimento a ser restringido.

Estas medidas de suspensão não se confundem com o perdão. Findo este período, aqueles cidadãos ou instituições que estavam em dívida ou já tinha multas deverão regularizar a sua situação”, afirmou João Machatine, avançando que o prejuízo resultante da medida será de 84 milhões de meticais (pouco mais de um milhão de euros) por mês.

Com o registo oficial de 21 casos de infeção pelo novo coronavírus, sem vítimas mortais, Moçambique vive em estado de emergência durante todo o mês de abril, com espaços de diversão e lazer encerrados, proibição de todo o tipo de eventos e de aglomerações. Durante o mesmo período, as escolas estão encerradas e a emissão de vistos para entrar no país está suspensa.

Em África, há registo de 788 mortos num universo de mais de 14 mil casos em 52 países.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, já provocou mais de 114 mil mortos e infetou mais de 1,8 milhões de pessoas em 193 países e territórios. Dos casos de infeção, quase 400 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.