A limpeza e reconstrução da Escola Portuguesa de Díli (EPD), que sofreu vários danos devido às cheias que ocorreram há exatamente um mês, está praticamente concluída, segundo o último balanço do responsável do centro educativo.

Numa nota enviada à Lusa, Acácio de Brito, responsável da EDP, refere que já foram limpos o interior da escola e os acessos, o mobiliário que pode ser aproveitado e “muitos materiais didáticos e pedagógicos”, bem como os livros, mobiliário e trabalhos dos alunos. Além do inventário dos vários departamentos curriculares e na área administrativa, foi concluída a intervenção na área da cozinha e refeitório e recuperadas as salas exteriores do pré-escolar e 1.º ciclo.

Já foi recuperada ou substituída toda a rede elétrica do rés-do-chão, bem como da maquinaria das redes de esgotos e água deterioradas, foram substituídas louças e portas dos espaços e estão a ser concluídos os acabamentos e pinturas dos espaços da escola. Ainda por concluir está a construção do muro definitivo de delimitação da escola que sofreu sérios danos, especialmente na parte traseira. Acácio Brito refere que a EDP ainda está à espera do “reforço orçamental solicitado à tutela”.

Apesar dos esforços de limpeza a escola perdeu bastante material didático, em particular na biblioteca, bem como outro equipamento informático, de laboratório e da sala de música, entre outros.

Reiterando o apoio dado à recuperação do espaço físico da escola, Acácio de Brito explica na nota que cerca de 40 docentes “optaram pelo regresso temporário a Portugal”, em virtude da situação da Covid-19. Isso não implica que “a EPD não continue a cumprir com o seu desiderato e a sua missão” já que a partir de terça-feira “ensino não presencial será assegurado a todas as nossas crianças e alunos”.

Na escola está uma equipa de professores “disponível para prestar todos os esclarecimentos devidos, à realização das aprendizagens” com outros a dar o seu apoio a partir de Portugal através de plataformas digitais”. “Asseguramos deste modo que não existirá um hiato nas aprendizagens a todas as nossas crianças e alunos do Pré-escolar ao 12.º ano”, sublinha.

Acácio de Brito nota que todo o histórico escolar dos alunos foi salvaguardado e que se mantém o processo de inscrições via internet para as provas e exames nacionais, com o processo de avaliação dos alunos relativamente ao 2.º período a ser feito via internet.

Na terça-feira arranca o ensino não-presencial para os alunos de todos os anos de escolaridade.

Os docentes já se encontram a trabalhar em metodologias e processos a utilizar no processo de aprendizagem não presencial”, explica. “Por força da Covid-19 e da declaração do estado de emergência limitamos ao mínimo, a presença de funcionários e docentes nas instalações da escola”, recorda.

Ainda assim a partir de terça-feira estão assegurados os serviços de administração, permitindo que os encarregados de educação possam ir à EPD, “cumprindo as regras de distanciamento social e todas aquelas que o estado de emergência prevê, podendo deste modo fazer os pagamentos devidos e resolver outras situações”.

A EPD divulgou esta segunda-feira o plano de ensino não-presencial e os horários das diferentes disciplinas e anos de escolaridade, “de forma a que seja possível uma relação professor — aluno via internet”.

Para os alunos sem acesso à internet a escola providenciará toda a documentação de trabalho nas diferentes disciplinas em todos os anos de escolaridade em papel”, refere. “Neste caso os alunos ou os seus pais e encarregados de educação deverão deslocar-se à escola para o efeito”, explica.