A Autoridade de Saúde dos Açores confirmou na segunda-feira ter recebido um pedido de acostagem de um navio de cruzeiros com suspeitos de infeção pelo novo coronavírus a bordo, informando estar a acompanhar a situação em articulação com as autoridades nacionais. Segundo a TVI, o navio já transporta três vítimas mortais e cerca de 150 infetados.

“É uma situação que estamos a acompanhar neste momento”, afirmou Tiago Lopes, responsável da Autoridade de Saúde Regional dos Açores, no ponto de situação diário sobre a evolução do surto de Covid-19 na região, feito em Angra do Heroísmo.

Em causa está o navio de cruzeiros “Marella Explorer II”, que terá vários tripulantes com suspeita de infeção pelo novo coronavírus, e que já terá pedido para acostar nos Açores e em Lisboa.

Segundo Tiago Lopes, foi feita a retirada de um passageiro desse navio, “por outra situação clínica”, não devido à Covid-19, e “que foi solicitada ao abrigo das relações internacionais. Esse paciente já está a ser acompanhado”, revelou.

O responsável da Autoridade de Saúde Regional salientou que a informação transmitida pelos agentes de navegação e pelas autoridades a bordo do navio “tem sido muito díspar”, por isso as autoridades nacionais e regionais continuam a “acompanhar” a situação.

Este navio já terá solicitado a atracagem “em alguns dos portos no continente americano e tudo indica que irá seguir a sua viagem até chegar ao continente europeu e depois poder ter outro tipo de assistência, atendendo ao número de passageiros que tem a bordo”, acrescentou.

Os Açores detetaram já 100 casos positivos de Covid-19, 88 dos quais ativos, tendo sido registado quatro óbitos e oito recuperações. São Miguel é a ilha com mais casos ativos (55), seguindo-se Pico (10), Terceira (sete), São Jorge (sete), Faial (cinco) e Graciosa (quatro).

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, já provocou mais de 117 mil mortos e infetou quase 1,9 milhões de pessoas em 193 países e territórios.

Em Portugal, segundo o balanço feito na segunda-feira pela Direção-Geral da Saúde, registam-se 535 mortos, mais 31 do que no domingo (+6,2%), e 16.934 casos de infeção confirmados, o que representa um aumento de 349 (+2,1%).