O prolongamento do regime de confinamento no Reino Unido devido à pandemia da Covid-19 durante três meses pode provocar uma queda de 13% no Produto Interno Bruto (PIB) em 2020, sugere um estudo oficial publicado esta terça-feira.

O Gabinete de Responsabilidade Orçamental (OBR, na sigla em inglês), responsável por fiscalizar as contas públicas, assume um período de três meses de confinamento e três meses de levantamento gradual das restrições para calcular os potenciais efeitos na economia britânica.

O estudo sugere que uma queda de 35% do PIB no segundo trimestre relativamente ao anterior poderá ser compensada por crescimento económico de 25% e 20% nos trimestres seguintes, mas será mesmo assim insuficiente para evitar uma crise financeira.

A redução resultante de 13% do PIB anual em 2020 excederia confortavelmente qualquer redução anual no final de qualquer das guerras mundiais ou da crise financeira”, vinca.

Segundo o mesmo estudo, a taxa de desemprego pode subir aos 7,3% no final de 2020, acentuada para 10%, equivalente a mais dois milhões de desempregados, no segundo trimestre.

O impacto de uma crise desta dimensão nas finanças públicas resultaria num défice orçamental de 14% relativamente ao PIB, provocado por uma queda nas receitas fiscais e devido ao custo das medidas de apoio à economia e trabalhadores.

O Reino Unido encontra-se em regime de confinamento desde 23 de março para tentar travar a propagação da pandemia da Covid-19, o que levou ao encerramento de muitas empresas para reduzir o contacto social entre pessoas, embora muitas continuem em trabalho remoto.

Para limitar o impacto económico e social, o governo avançou com um pacote de medidas de apoio, nomeadamente facilidades com empréstimos, isenções fiscais, pagamento até 80% dos salários e rendimentos de trabalhadores, incluindo por conta própria, e reforço dos subsídios de subsistência.

O governo britânico tem até quinta-feira para decidir se vai prolongar o regime de confinamento, mas na segunda-feira o ministro dos Negócios Estrangeiros, Dominic Raab, que substitui o primeiro-ministro, Boris Johnson, durante a sua ausência, disse que não esperava mudanças a curto prazo.

Na atualização dos dados feita na segunda-feira, o Ministério da Saúde britânico registou 11.329 mortes resultantes de infeções com Covid-19 e um total de 88.621 pessoas infetadas, números que se referem apenas a pessoas hospitalizadas.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, já provocou mais de 120 mil mortos e infetou mais de 1,9 milhões de pessoas em 193 países e territórios. Dos casos de infeção, cerca de 402 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.