“Oh Evaristo! Tens cá disto?!”

Poucas palavras ficaram mais conhecidas na história do cinema português como estas que Vasco Santana atira a António Silva no famoso “O Pátio das Cantigas”. Nesta altura, em 1942 (ano da estreia do filme), a interjeição era em jeito de brincadeira, uma provocação lançada pela personagem de Santana à de Ribeiro, que fazia de dono de uma loja de bairro. Hoje, em tempos de crise causada pela pandemia do novo coronavírus, a empresa portuguesa Fullscreen, que se especializa em tecnologias de informação e soluções digitais, deu-lhe um significado totalmente diferente.

Inspirada pelo conceito original — em termos simples, um cliente a perguntar a um lojista se tem determinado tipo de produto –, a empresa de Vila Nova de Gaia decidiu apoiar o comércio local através da criação de um site que ajudasse a dar visibilidade a todos os comerciantes que por algum motivo não têm presença digital e, como muitos outros, estão a tentar sobreviver aos problemas económicos criados pela Covid-19. Assim surgiu o www.evaristotenscadisto.pt (só no final desta semana ficará online e pronto para receber inscrições).

De um modo geral, esta plataforma 100% gratuita desenvolvida em parceria com a Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia permite a “pequenos comerciantes e seus clientes continuarem as suas compras e vendas na web de uma forma simplificada”, lê-se num comunicado cedido ao Observador. Este “Evaristo” é portanto uma espécie de montra digital — que pretende ser adotada em todo o país, apesar de ter nascido a norte — para todos os comerciantes que se inscrevam (sem custos) no projeto.

Isto vai permitir que vários negócios criem “a sua montra virtual de produtos” e definam “que tipo de serviços disponibilizam (take-away ou entrega em casa)”, passando estes a ficar disponíveis para consulta por parte dos clientes, “que poderão procurar lojas ou produtos disponíveis na sua zona” ou até procurar diretamente os seus restaurantes, mercearias ou padarias favoritas. Nunca são pedidos dados bancários nem informações de cartão de crédito, a compra em si depois é feita diretamente entre o cliente e o negócio. 

“Simplificação” foi palavra de ordem no momento de desenvolver este serviço, de tal forma que ele funciona quase apenas como uma ponte entre clientes e comerciantes que, de outra forma, provavelmente nunca se poderiam cruzar.