O número real de vítimas mortais provocadas pela Covid-19 em Inglaterra pode ser significativamente superior ao apresentado diariamente pelo Governo britânico. A possibilidade surge com novos dados do Office of National Statistics (ONS), que apresenta um valor 15% superior ao que foi divulgado pelo Ministério da Saúde. A correção dos números diz apenas respeito a Inglaterra, ficando de fora a Escócia, País de Gales ou a Irlanda do Norte.

Segundo a CNN, os boletins diários do Ministério da Saúde só incluem óbitos que ocorreram em hospitais e não abrangem mortes que acontecem em lares ou noutros locais — para além de que também são afetados diariamente por algum atraso no registo das ocorrências. Os dados mais atualizados e completos, divulgados semanalmente pelo Office of National Statistics, incluem todas as mortes onde a causa registada na certidão de óbito é a Covid- 19: independentemente de essa morte ter ocorrido num hospital, num lar ou em qualquer outro sítio.

Até ao dia 3 de abril morreram em Inglaterra 5.979 pessoas devido ao novo coronavírus, segundo o ONS, o equivalente ao Instituto Nacional de Estatística português. Ora, esse número também mereceu, na altura, uma atualização por parte do Governo britânico: o primeiro número avançado no dia 3 de abril pelo Ministério da Saúde ficava nos 3.939, sendo que foi atualizado e revisto em alta a 12 de abril, subindo para os 5.186. No domingo, data da atualização, o Executivo liderado por Boris Johnson indicou que a diferença entre os dois valores se justificava com a demora no registo de alguns óbitos.

Mesmo com a revisão em alta, o número do ONS continua a ser superior ao oficial, divulgado pelo Governo: são mais 793 vítimas mortais, o que representa um aumento de 15% face aos números oficiais. Se olharmos para o primeiro valor, ligeiramente abaixo das 4 mil mortes, o aumento sobe para 52% — o que representa uma subida em termos brutos de 2.040.

Em termos globais, no Reino Unido, registam-se atualmente 11.329 vítimas mortais. Um número que, de acordo com o ONS, poderá ser superior se forma somados os óbitos que ocorreram fora dos hospitais.