O médico norte-americano Dan Murphy, que desde 1998 tratava algumas das pessoas mais vulneráveis em Timor-Leste, morreu esta terça-feira vítima de paragem cardíaca, disse à Lusa o ex-presidente timorense José Ramos-Horta.

Recebi a notícia com enorme tristeza pela perda de um grande homem, de um missionário que dedicou mais de 20 anos a Timor”, disse José Ramos-Horta referindo-se ao fundador da clínica do Bairro Pité, em Díli. “Antes de Timor esteve em Moçambique e aqui era conhecido em todo o Timor como o Dr. Dan”, recordou.

Ramos-Horta explicou que o médico, que continuava a tratar doentes diariamente, se começou a sentir mal durante a tarde de hoje, e acabou por morrer algumas horas depois.

O ex-chefe de Estado disse que nos últimos meses tem havido debates sobre como dar continuidade ao trabalho da clínica, permitindo assim que Dan Murphy se reformasse.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Há uma nova equipa que vai continuar essa obra de que continuam a precisar muitas pessoas. Esse é o grande legado de Dan Murphy”, acrescentou.

O médico dedicou grande parte da sua vida a tratar pacientes em Moçambique, Laos, Nicarágua e até agora em Timor-Leste, onde viveu e se manteve a trabalhar durante o ano de intenso conflito de 1999, em que os timorenses escolheram a independência.

A clínica do Beirro Pité acolhe diariamente centenas de doentes e o próprio Dan Murphy apoiava, em média, 100 partos por mês, com apoio a vítimas de tuberculose, HIV e outras doenças.