O médico norte-americano Dan Murphy, que desde 1998 tratava algumas das pessoas mais vulneráveis em Timor-Leste, morreu esta terça-feira vítima de paragem cardíaca, disse à Lusa o ex-presidente timorense José Ramos-Horta.

Recebi a notícia com enorme tristeza pela perda de um grande homem, de um missionário que dedicou mais de 20 anos a Timor”, disse José Ramos-Horta referindo-se ao fundador da clínica do Bairro Pité, em Díli. “Antes de Timor esteve em Moçambique e aqui era conhecido em todo o Timor como o Dr. Dan”, recordou.

Ramos-Horta explicou que o médico, que continuava a tratar doentes diariamente, se começou a sentir mal durante a tarde de hoje, e acabou por morrer algumas horas depois.

O ex-chefe de Estado disse que nos últimos meses tem havido debates sobre como dar continuidade ao trabalho da clínica, permitindo assim que Dan Murphy se reformasse.

Há uma nova equipa que vai continuar essa obra de que continuam a precisar muitas pessoas. Esse é o grande legado de Dan Murphy”, acrescentou.

O médico dedicou grande parte da sua vida a tratar pacientes em Moçambique, Laos, Nicarágua e até agora em Timor-Leste, onde viveu e se manteve a trabalhar durante o ano de intenso conflito de 1999, em que os timorenses escolheram a independência.

A clínica do Beirro Pité acolhe diariamente centenas de doentes e o próprio Dan Murphy apoiava, em média, 100 partos por mês, com apoio a vítimas de tuberculose, HIV e outras doenças.