As dormidas em alojamento turístico em Portugal aumentaram 14,7% para 3,8 milhões em fevereiro, com o setor a receber 1,6 milhões de hóspedes, mais 15,3% face ao mesmo mês de 2019, impulsionado pelo Carnaval, divulgou esta quarta-feira o INE.

Estes resultados traduzem uma aceleração da atividade turística em Portugal (que em janeiro tinha registado uma subida de 7,7% nas dormidas e um aumento de 12,0% no número de hóspedes) e foram influenciados pelo efeito do período de Carnaval, que este ano ocorreu em fevereiro e no ano anterior em março, e pelo facto de fevereiro ter tido 29 dias em 2020, mais um do que em 2019.

Segundo o INE, “embora a informação deste destaque possa já traduzir em certa medida a situação atual determinada pela pandemia Covid-19, é de esperar que as tendências […] analisadas se alterem substancialmente nas próximas divulgações”.

Em fevereiro, as dormidas de residentes aumentaram 26,4% (depois do crescimento de 11,8% em janeiro) e as de não residentes subiram 9,5% (face aos 5,8% do mês anterior).

Já os proveitos totais cresceram 12,8% (+6,9% em janeiro), atingindo 194,3 milhões de euros, e os proveitos de aposento fixaram-se em 138,1 milhões de euros, aumentando 15,1% (+8,3% no mês anterior).

O rendimento médio por quarto disponível (RevPAR) aumentou 5,5% para 28,3 euros (+4,0% no mês anterior), e o rendimento médio por quarto ocupado (ADR) atingiu 66,1 euros, subindo 3,4% (+2,0% no mês anterior).

A estada média (2,41 noites) reduziu-se 0,5% (+2,2% no caso dos residentes e +1,2% no de não residentes) e a taxa líquida de ocupação (35,1%) aumentou 1,6 pontos percentuais (+0,8 pontos percentuais em janeiro).

Segundo o INE, o mercado britânico (17,5% do total das dormidas de não residentes em fevereiro) cresceu 4,0% em fevereiro e 3,2% no conjunto dos dois primeiros meses do ano, enquanto as dormidas de hóspedes alemães (12,5% do total) aumentaram 4,6% em fevereiro e recuaram 1,6% desde o início do ano.

Já o mercado espanhol (11,2% do total) apresentou um “aumento expressivo” de 40,8% em fevereiro e cresceu 33,5% no conjunto dos dois primeiros meses do ano, e o mercado francês (8,5% do total) aumentou 6,3% em fevereiro e 1,7% desde o início do ano.

O mercado chinês (1,0% do total), já influenciado pelos efeitos da pandemia, recuou 54,8% em fevereiro e 10,7% no conjunto dos dois primeiros meses do ano.

Em fevereiro, o INE destaca ainda os crescimentos registados pelos mercados canadiano (+37,0%) e brasileiro (+29,5%) que, desde o início do ano, progrediram 37,0% e 17,0%, respetivamente.

No período, registaram-se aumentos das dormidas em todas as regiões, salientando-se os crescimentos do Alentejo (+39,8%), Centro (+28,1%), Norte (+20,9%) e Açores (+20,1%).

A Área Metropolitana de Lisboa concentrou 29,1% das dormidas, seguindo-se o Algarve (22,3%) e o Norte (16,4%).

Considerando a generalidade dos meios de alojamento (estabelecimentos de alojamento turístico, campismo e colónias de férias e pousadas da juventude), registaram-se 1,7 milhões de hóspedes e 4,2 milhões de dormidas, correspondendo a crescimentos de 15,9% e 15,2%, respetivamente (+12,0% e +8,1% em janeiro, pela mesma ordem).

As dormidas de residentes cresceram 26,3% (+12,3% em janeiro) e as de não residentes aumentaram 10,1% (+6,1% no mês anterior).