O presidente da Confederação Empresarial do Alto Minho (CEVAL) disse esta quarta-feira à Lusa que as empresas do setor automóvel instaladas nos parques industriais do Alto Minho estão a preparar o reinício gradual da laboração, suspensa devido à pandemia de covid-19.

“As empresas estão atentas ao evoluir da situação, estimando que a curto prazo possam arrancar a laboração de forma gradual, nomeadamente as que produzem para a fábrica da PSA de Vigo, na Galiza, que será uma das primeiras a recomeçar a trabalhar”, afirmou, Luís Ceia.

O presidente da CEVAL, estrutura que representa cerca de 5.000 empresas do distrito de Viana do Castelo e que empregam mais de 19.000 trabalhadores, adiantou que as empresas por ele contactadas preveem retomar a atividade “nunca antes de maio, em velocidade gradual, em regime de praticamente de um turno e com produção menor do que o habitual para reduzir o número de trabalhadores, mantendo a distância de segurança prevista nos planos de contingência”.

“Por exemplo, as empresas que trabalhavam com três turnos passam a trabalhar só com um, diminuindo a produção por hora para garantir o distanciamento nas linhas de produção. Como forma de precaver contágio, haverá um intervalo maior entre trabalhadores nas linhas de produção o que reduzirá a produtividade”, especificou.

Nos 25 parques empresariais espalhados pelos dez concelhos do distrito de Viana do Castelo, com uma área equivalente a 777 campos de futebol, estão instaladas cerca de 300 empresas, que empregam cerca de 15.000 trabalhadores.

Segundo Luís Ceia, daquelas empresas, cerca de 250 estão ligadas ao setor automóvel.

“Antes do encerramento as empresas tiveram o cuidado de produzir mais do que o necessário para quando tivessem de arrancar terem algum material em ‘stock””, explicou.

Portugal regista 599 mortos associados à covid-19 em 18.091 casos confirmados de infeção, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre a pandemia.

Relativamente ao dia anterior, há mais 32 mortos (+5,6%) e mais 643 casos de infeção (+3,7%).

Das pessoas infetadas, 1.200 estão hospitalizadas, das quais 208 em unidades de cuidados intensivos, e 383 foram dadas como curadas.

Portugal está em estado de emergência desde 19 de março, que deverá ser renovado esta semana por um novo período de 15 dias.