No ano passado 5.804 pessoas foram mortas por agentes da polícia no Brasil, um aumento de 1,5% em relação a 2018, quando foram registadas 5.716 ocorrências deste tipo no país, segundo dados esta quinta-feira divulgados.

O número foi avançado pelo portal de notícias G1 que analisa indicadores de violência no país mensalmente em parceira com o Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo (Nev-USP) e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública. A pesquisa não incluiu informações do estado de Goiás, que não forneceu os dados solicitados.

O crescimento do número de mortes provocadas pela polícia no país sul-americano em 2019 foi menor do que no ano de 2018, quando houve uma subida de 18% neste tipo de ocorrência.

As mortes provocadas por agentes da polícia foram de 2,9 por cada 100 mil habitantes no Brasil, sendo o estado do Amapá, na região norte, o que registou o maior número de mortes, 15,1 para cada 100 mil.

O Rio de Janeiro foi o estado que registou o maior número absoluto de pessoas mortas em confronto com a polícia, somando 1.810 vítimas, e a segunda maior taxa de mortalidade, 10,5 assassínios por cada 100 mil habitantes.

No ano passado, 159 agentes da polícia foram mortos no Brasil, número que regista uma queda de 50% face aos registos de 2018, quando 326 oficiais foram assassinados.

O Brasil registou uma queda de 19% nos crimes violentos em 2019, face ao ano anterior, segundo o índice nacional de homicídios.

Em todo o ano passado houve 41.635 assassínios no país, contra 51.558 em 2018, o menor número de crimes violentos registado em toda a série histórica do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, iniciada em 2007.