O cancelamento do Festival Internacional de Teatro do Alentejo (FITA) poderá gerar um prejuízo de 55 mil euros à Companhia de Teatro Lendias d’Encantar, de Beja, que enfrenta “várias consequências negativas” da pandemia de covid-19.

A situação causada pela pandemia “provocou várias consequências negativas na atividade da companhia e a primeira e a que mais impacto negativo terá foi o cancelamento do FITA” deste ano, disse esta quinta-feira à agência Lusa António Revez, diretor e ator da Lendias d’Encantar, a promotora do festival.

Segundo o responsável, o cancelamento do FITA, que deveria ter decorrido em março com espetáculos de 19 companhias de 11 países em Lisboa e 13 concelhos do Alentejo, “poderá acarretar um grande prejuízo financeiro à companhia e estimado em cerca de 55 mil euros”.

A companhia “ainda não apurou o valor exato do prejuízo, mas poderá rondar 55 mil euros”, tendo em conta receitas esperadas e não obtidas com espetáculos, apoios financeiros de parceiros que “poderão não ser pagos” e despesas previstas e adicionais com viagens áreas e alojamento de “cerca de 40” artistas estrangeiros que se deslocaram ao Alentejo para participar no FITA e onde chegaram antes do cancelamento, explicou.

Era impossível prever o que acabou por acontecer, fomos apanhados no olho do furação e cancelámos o FITA no próprio dia em que devia ter começado”, frisou.

Por isso, explicou, a companhia “não conseguiu cancelar ou evitar” e acabou por ter despesas com várias ações ligadas à realização do FITA, como produção de materiais promocionais e viagens e alojamento dos artistas estrangeiros.

Além do cancelamento do FITA, a Lendias d’Encantar adiou o início, previsto para o passado dia 23 de março, dos ensaios da sua nova peça “Quarteto de Alba”, escrita e encenada pelo espanhol Carlos Gil e que deveria estrear no dia 6 de maio.

A companhia também cancelou a segunda parte de uma residência artística prevista para este mês em Beja, sete apresentações da peça “Vidas Clandestinas” agendadas para este mês e maio e uma viagem ao Equador e à Bolívia prevista para este mês para apresentação do espetáculo “Vueltas” em dois festivais de teatro nos dois países.

Segundo o diretor, “por enquanto” e através do orçamento para este ano, a Lendias d’Encantar, que é apoiada pela Direção-Geral das Artes, “tem condições para continuar a pagar os salários” aos seis trabalhadores diretos.

E a companhia “quer ir mais além e tentar pagar já este mês pelo menos 50% dos cachets aos artistas independentes contratados para a produção da peça ‘Quarteto de Alba’“, que está suspensa, e “a totalidade” dos cachets aos atores da peça “Vidas Clandestinas” relativos às sete apresentações canceladas.

“Houve uma série de consequências negativas para a Lendias d’Encantar e todos os agentes culturais e criadores, já que a cultura foi talvez a primeira área a ter a atividade suspensa e muito provavelmente será das últimas a retomar uma atividade normal” devido à Covid-19, frisou.

A situação provocada pela pandemia “não está a ser fácil, principalmente para os criadores independentes não vinculados a uma companhia apoiada e que são os que estão em piores condições e a passar um mau bocado”, alertou.

Por isso, a Lendias d’Encantar criou uma bolsa de 15 mil euros para comprar espetáculos e “atenuar danos” causados pela pandemia a artistas independentes e companhias sem apoios do Alentejo.

A companhia também desafiou as suas duas atrizes e os artistas estrangeiros que estiveram no Alentejo e deveriam participar no FITA a escreverem textos sobre as suas vivências relacionadas com a pandemia e os dias em que estiveram na região e que servirão para produzir um espetáculo e serão publicados na revista “Escenarios” editada em português e espanhol pela Lendias d’Encantar.

Portugal regista 599 mortos associados à Covid-19 em 18.091 casos confirmados de infeção, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre a pandemia. No Alentejo, há 155 casos de infeção confirmados e ainda não se registou qualquer morte por Covid-19.