O Facebook anunciou esta quinta-feira que vai avisar os utilizadores que “gostaram, reagiram ou comentaram” em notícias falsas (fake news) relacionadas com o novo coronavírus e que foram, entretanto, retiradas. Mark Zuckerberg, que, além do Facebook, também detém o Instagram e o WhatsApp, afirmou num post na rede social: “Durante essa crise uma das minhas principais prioridades é garantir que vejam informações precisas e autorizadas em todos os nossos aplicativos”.

I want to share an update on the work we're doing to connect people with accurate information and limit the spread of…

Posted by Mark Zuckerberg on Thursday, April 16, 2020

Desde antes o início da pandemia da Covid-19 que o Facebook tem vindo a retirar milhares de conteúdos falsos relacionados com o novo coronavírus. De acordo com um comunicado da rede social, até agora a empresa já “direcionou mais de dois mil milhões de pessoas” para os sites da Organização Mundial da Saúde (OMS) e de outras autoridades de saúde através do  Centro de Informações COVID-19 e pop-ups no Facebook e Instagram, com mais de 350 milhões de pessoas a acederem para saberem mais.”

Contudo, o Facebook assume que este é só “metade do desafio”. A rede social trabalha com “mais de 60 organizações de verificação de factos que reveem e classificam o conteúdo em mais de 50 idiomas em todo o mundo”, como o Observador. Este esforço tem levado a rede social a anunciar apoios ao jornalismo para diminuir a propagação de notícias falsas.

Facebook doa 1 milhão de dólares para diminuir propagação de fake news sobre a Covid-19

É também devido a este trabalho de fact check que a empresa consegue apagar conteúdo e diminuir a sua disseminação nas suas plataformas. Contudo, por vezes, antes desse trabalho ser feito, e devido à rapidez na partilha de conteúdos virais, uma notícia falsa pode já ter chegado a inúmeros utilizadores antes de ser apagada. Este novo passo para avisar quem interagiu com um conteúdo falso pretende, assim, avisar as pessoas que a notícia com a qual interagiu era falsa.

Com esta mudança, o Facebook vai também passar a direcionar os utilizadores para a página de internet da OMS que desmente as principais informações falsas sobre a pandemia.