O governo timorense vai debater na sexta-feira o alargamento do período do estado de emergência, atualmente em vigor até 26 de abril, e o possível agravamento das medidas em vigor, anunciou esta quinta-feira o primeiro-ministro.

“Amanhã [sexta-feira], o governo vai debater a necessidade e a possibilidade de extensão do estado de emergência. Depois anunciaremos a nossa decisão”, afirmour Taur Matan Ruak no parlamento.

Taur Matan Ruak falava numa sessão extraordinária do Parlamento Nacional para debater as medidas que o governo tem vindo a adotar e as perspetivas de futuro no combate à Covid-19.

O chefe do Governo disse que a declaração do estado de emergência dá poderes amplos ao governo, mas que o executivo tem que ir decidindo, progressivamente, se é ou não necessário endurecer as medidas.

O governo está a usar um método de implementação progressiva, de acordo com a realidade que se vive no país, para não apertar de repente a população”, afirmou.

“Temos de dar atenção ao efeito psicológico, económico e social, e por isso temos que ir com cuidado. Se chegarmos a outras fases de contaminação, poderemos endurecer”, frisou.

Entre as medidas em vigor incluem-se a suspensão dos transportes públicos, do ensino presencial, o fecho das fronteiras e a obrigação de manter um metro de distância em espaços públicos. Não há restrições à circulação e os estabelecimentos podem continuar a funcionar.

Timor-Leste tem, até agora, oito casos da Covid-19, dos quais um recuperado.

A nível global, a pandemia de Covid-19 já provocou mais de 133 mil mortos e infetou mais de dois milhões de pessoas em 193 países e territórios. Mais de 436 mil doentes foram considerados curados.

Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa quatro mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), encerraram o comércio não essencial e reduziram drasticamente o tráfego aéreo, paralisando setores inteiros da economia mundial.